Filmes e séries

Marco Bellocchio discute liberdade individual em "A Bela que Dorme"

Neusa Barbosa

Do Cineweb*

04/07/2013 15h20

Desde o seu longa de estreia, "De Punhos Cerrados" -- realizado quando tinha apenas 26 anos --, o diretor italiano Marco Bellocchio define os pontos cardeais de um universo temático, que vem explorando ao longo de mais de quatro décadas com notável liberdade de pensamento e coerência: a família, a religião e o poder instituído, seja na política, na polícia ou no sistema hospitalar.

O pessoal e o coletivo se unem, mais uma vez, em "A Bela que Dorme", o mais recente trabalho do cineasta, que competiu pelo Leão de Ouro no Festival de Veneza em 2012 e estreia em São Paulo e Belo Horizonte.

A história parte de um evento real, o caso Eluana Englaro, moça que ficou por 17 anos em coma na Itália e cujo pai lutou na justiça para desligar os aparelhos que a mantinham viva, em 2009.

Sem citar o nome de Eluana, mas remetendo claramente à batalha judicial e parlamentar que sacudiu a Itália em torno da eutanásia, Bellocchio afasta-se cada vez mais dos acontecimentos reais, usando-os como pretexto e pano de fundo para ficcionalizar e falar do que lhe interessa. Ou seja, de como o institucional pesa sobre a vida pessoal e vice-versa, em prejuízo da liberdade de pensamento e ação.

TRAILER LEGENDADO DE "A BELA QUE DORME"

Toni Servillo interpreta Uliano Beffardi, um senador que passou pela dramática escolha de desligar os aparelhos da própria mulher, ganhando a oposição da filha, Maria (Alba Rohrwacher), que se torna uma militante pró-vida, mas se apaixona por um rapaz que defende posições opostas, Roberto (Michele Rondino).

Agora, o senador deve votar contra ou a favor de um projeto de lei que procura restringir a liberdade de decisão de familiares em caso da manutenção do suporte de vida a pacientes cronicamente incapacitados.

Isabelle Huppert atua como a Divina Madre, uma grande atriz que abandonou a carreira para cuidar da filha jovem, presa a um coma sem solução à vista. Maya Sansa, atriz de "Bom Dia, Noite", aqui é Rossa, uma drogada que tenta se suicidar, impedida por um médico, o persistente doutor Pallido (Pier Giorgio Bellocchio).

O veterano Roberto Herlitzka (o Aldo Moro em "Bom dia, Noite") interpreta um político e psiquiatra, a quem cabem alguns dos melhores diálogos deste filme profundamente contemporâneo e rico em significados, ao qual não falta uma ironia da melhor qualidade, fora a criatividade visual.

As sequências que mostram os políticos numa espécie de sauna, envolvidos em panos brancos, lembrando os antigos senadores romanos, diante da televisão que acompanha a votação do projeto de lei, estão entre algumas de suas melhores imagens.

A marca do mestre em ação está na segurança com que Bellocchio maneja as diversas posições em jogo sem procurar impor suas certezas sobre o público. Este enfoque plural permite que "A Bela que Dorme" escape da camisa-de-força que cerca os chamados "filmes de tese", até porque ele não elege nenhuma.

Na Mostra Internacional de São Paulo em 2012, Bellocchio venceu o prêmio de melhor filme para o júri de críticos. Em Veneza, foi premiado como revelação o ator Fabrizio Falco, que interpreta o irmão do militante Roberto, que tem problemas psicológicos e atormenta a rotina de sua família.

*As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo