Filmes e séries

Novo filme de mestre da animação japonesa faz alerta ao país

Reprodução
Cena da animação "Kaze Tachinu", ("The Wind Rises", em inglês) de Hayao Miyazaki, que estreou no topo da bilheteria japonesa no mês passado e está na competição principal no próximo Festival de Veneza Imagem: Reprodução

Elaine Lies

De Tóquio/Reuters

06/08/2013 14h53

O novo filme de Hayao Miyazaki já é um sucesso de bilheteria, mas os temas envolvendo os perigos do nacionalismo e da guerra atraíram críticas inéditas para o animador premiado com o Oscar.

"The Wind Rises", que estreou no topo da bilheteria japonesa no mês passado e está na competição principal no próximo Festival de Cinema de Veneza, baseia-se no homem que projetou o temido avião de combate japonês Zero, usado na Segunda Guerra Mundial.

Críticos veem o filme como uma advertência velada de que o Japão poderia estar novamente seguindo a mesma direção.

Miyazaki, de 72 anos, enfatizou esse alerta em um ensaio crítico em meados de julho sobre as propostas do primeiro-ministro Shinzo Abe de rever a Constituição pacifistado país.

"O tempo mostrado no filme lembra o presente", disse o crítico de cinema Ryusuke Hikawa, referindo-se ao terremoto de 1923 que devastou Tóquio e à Grade Depressão dos anos 1930, paralelos ao terremoto e tsunami de 2011 e à crise econômica vivida pelo Japão.

"Depois do terremoto houve tumultos e o Japão começou a caminhar rumo à guerra. É possível sentir algumas similaridades... a economia estava ruim e, psicologicamente, era uma situação em que se devia fazer alguma coisa grandiosa, e foi como as coisas se tornaram nacionalistas", acrescentou.

Abe, cuja coalizão venceu as eleições no Senado no mês passado, prometeu revitalizar a economia, aumentar a postura defensiva do Japão e rever a Constituição. Os eleitores temem seus pontos de vista constitucionais, mas saúdam suas políticas econômicas.

Marcada pelas cores vívidas de Miyazaki, a história do engenheiro Jiro Horikoshi é o primeiro filme do diretor centrado em uma figura histórica e eventos reais.

Grande parte da ameaça está mascarada pela subtrama romântica, enquanto o trabalho de Horikoshi no Zero aparece como um esforço nobre de um homem apaixonado por aviões e voo. Esse é um amor compartilhado por Miyazaki, cujo pai fabricava partes de aviões.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
Topo