Filmes e séries

"Ferrugem e Osso" mostra pessoas no limite sem excesso de drama

Alysson Oliveira

Do Cineweb*

08/08/2013 15h29

"Ferrugem e Osso" poderia ser um dramalhão, um filme sobre como a força do amor ajuda a superar as adversidades, mas o roteiro deste longa francês, que concorreu à Palma de Ouro em Cannes em 2012, é baseado em contos do canadense Craig Davidson, que, em sua obra, está mais interessado em como as pessoas lidam com as crueldades da vida. E o amor não é, necessariamente, a resposta.

No filme, estreando em São Paulo, o diretor francês Jacques Audiard ("O Profeta"), que assina o roteiro com Thomas Bidegain, seu parceiro de outros trabalhos, sagazmente crê na força transformadora do amor, mas não de uma forma romântica e melosa.

Ao contrário do livro, em que os contos são independentes, Audiard cruza organicamente algumas histórias e personagens. A maior transformação é quanto ao gênero do protagonista.

Na história escrita por Davidson, trata-se de um homem. Aqui, a trama é protagonizada por uma mulher, Stéphanie, interpretada por Marion Cotillard ("Piaf - Um Hino ao Amor", "O Cavaleiro das Trevas Ressurge"), que se envolve amorosamente com um personagem de outro conto - no texto original, eles nem se cruzam. Trata-se de Alain (Matthias Schoenaerts), boxeador desempregado que precisa cuidar do filho de 5 anos (Armand Verdure).

Stéphanie e Alain são duas almas desesperadas e se conhecem por coincidência. Quando se veem pela primeira vez, ele é segurança numa boate, onde ela dança alegremente - é um espírito livre.

No próximo encontro, a vida da moça terá passado por uma drástica mudança, depois de um grave acidente num aquário de baleias onde trabalha. Quando, por acaso, ela encontra o telefone dele na agenda, pensa que o lutador poderá ser uma companhia.

Uma das coisas mais impressionantes em "Ferrugem e Osso" são os efeitos que apagam as pernas de Marion, a partir dos joelhos. As cenas em que a personagem aparece amputada - em algumas, em roupa de banho ou até nua - comprovam como efeitos especiais podem ter uma outra função, além de apenas criar monstros ou ajudar super-heróis.

A orca que mutilou a protagonista, no entanto, não é uma baleia má, é apenas um animal seguindo os seus instintos. Dessa forma, dentro do filme, o animal serve tanto como um signo quanto catalisador. Ao contrário dela, Stéphanie e Ali são duas pessoas tentando domar seus instintos. É um processo em que buscam se reumanizar, reencontrar a dignidade que perderam ao longo do caminho.

Esse processo humanizador, no entanto, dá-se por caminhos paradoxais. Ali se envolve em lutas de rua clandestinas, das quais sai coberto de sangue, mas com algum dinheiro. Stéphanie, por sua vez, começa a acompanhar de longe, de dentro do carro, até que, com o tempo, se torna uma espécie de empresária de Ali.

A francesa Marion Cotillard não é somente uma atriz: é uma força da natureza, é capaz de qualquer coisa, seja numa biografia ("Piaf"), num blockbuster (o mais recente "Batman") ou num filme de arte. Remover as pernas digitalmente auxilia, é claro, na composição da personagem, mas é a atriz quem dimensiona o significado disso em sua interpretação, complementada pelo belga Schoenaerts.

Por fim, a direção certeira de Audiard encontra o tom preciso entre o sentimentalismo e o drama áspero sobre duas pessoas em busca da superação de suas perdas. Ainda que seus temas tenham sido abordados antes inúmeras vezes - boxe é um assunto tão caro a Hollywood que se torna uma metáfora evidente da luta pela vida -, "Ferrugem e Osso" alcança uma originalidade peculiar pelo olhar que lança sobre essas pessoas.

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
Cinema
Topo