Filmes e séries

Obama diz que quase chorou ao ver filme sobre mordomo da Casa Branca

Divulgação
Cena do filme "The Butler", que fala sobre um mordomo dedicado que trabalhou na Casa Branca Imagem: Divulgação

Steve Holland

27/08/2013 19h33

O presidente dos EUA, Barack Obama, diz ter ficado com os olhos marejados ao ver um novo filme sobre um negro que passou 34 anos como mordomo da Casa Branca, inclusive durante a tumultuada época do movimento dos direitos civis.

"O Mordomo", com Forest Whitaker no papel principal, é um drama livremente inspirado na vida de Eugene Allen, que serviu a todos os presidentes dos EUA, de Harry Truman a Ronald Reagan. Oprah Winfrey interpreta a beberrona esposa dele, e Cuba Gooding Jr. é um amigo e colega da Casa Branca.

"Sabe, vi 'O Mordomo', e fiquei sim com os olhos marejados", disse Obama, primeiro presidente negro dos EUA, em entrevista aos radialistas Tom Joyner e Sybil Wilkes, transmitida por diversas emissoras nesta terça-feira (27), um dia antes do 50º aniversário da grande Marcha sobre Washington do movimento dos direitos civis.

"Fiquei com os olhos marejados ao pensar não só nos mordomos que trabalharam aqui na Casa Branca como em toda uma geração de pessoas que eram talentosas e capacitadas, mas que por causa (das leis segregacionistas) de Jim Crow, por causa da discriminação, tinham um limite até onde podiam chegar", disse o mandatário.

No filme, o personagem de Whitaker tenta convencer seus chefes a igualar os salários de negros e brancos em funções semelhantes na Casa Branca. Isso só ocorreria no governo Reagan (1981-1989).

Obama disse ter uma relação especial com os empregados da Casa Branca. "Acho que eles terem a sensação de que chegamos tão longe foi um momento poderoso para eles, e certamente um momento poderoso para nós. Morremos de amor por eles. Eles cuidam maravilhosamente de nós."

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Chico Barney
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo