PUBLICIDADE
Topo

Pouco criativo, "O Ataque" mostra nova invasão à Casa Branca no cinema

Rodrigo Zavala

Do Cineweb*

05/09/2013 15h31

Channing Tatum (de "G. I. Joe: A Origem de Cobra") e Jamie Foxx ("Django Livre") estrelam "O Ataque", novo projeto do conhecido diretor de filmes "catástrofe" Roland Emmerich, responsável por "Godzilla", "Dia da Independência", "O Dia Depois de Amanhã". O longa estreia no circuito nacional nesta sexta-feira (5).

Se não bastassem esses três nomes para atrair o público, uma invasão violenta e explosiva à Casa Branca, em Washington, eleva a expectativa sobre a produção.

Mas "O Ataque" possui problemas. O primeiro está no roteiro, muito similar a filmes como os da franquia "Duro de Matar". Emmerich tem pouco a oferecer à história do policial Cale, que se vê em confronto com supostos terroristas que invadiram a Casa Branca justamente quando o protagonista resolveu visitar o local com a filha.

TRAILER LEGENDADO DE "O ATAQUE"

Cale, um ex-militar que sonha em entrar no serviço secreto, precisa usar todo o seu conhecimento em combate para salvar a todos, incluindo o próprio presidente Sawyer (Fox). Porém o personagem principal do filme está muito longe do humor cáustico de John McClane, daí a necessidade de colocar o mandatário quase como um alívio cômico para a história -- o que fica absurdo.

Um segundo problema da produção é a inevitável comparação com a muito recente "Invasão À Casa Branca" (2013), protagonizada por Gerard Butler e dirigida pelo americano Antoine Fuqua (de "Dia de Treinamento"). Com argumentos muito similares -- ambos falam de terroristas invadindo a residência presidencial americana --, o que muda é a identidade dos vilões, já que o protagonista também lembra McClane.

Embora nenhuma das histórias faça muito sentido, Fuqua dirige em alta voltagem e o realismo das sequências de ação na tela é muito superior ao de Emmerich.

*As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb