! Lealdade de parceiros em combate ao crime é testada em "Dose Dupla" - 12/09/2013 - UOL Entretenimento

Filmes e séries

Lealdade de parceiros em combate ao crime é testada em "Dose Dupla"

Nayara Reynaud

Do Cineweb*

12/09/2013 15h58

"Dose Dupla" é um filme sobre lealdade. Até aí, nenhuma novidade, pois não há nada mais clichê em filmes policiais, sejam de ação ou de suspense, do que a revelação de que um aliado do protagonista era, na verdade, seu inimigo. Mas quando um recurso tão batido quanto esse é bem utilizado o resultado da produção pode ser bom. O longa estreia no circuito nacional na sexta-feira (13).

À primeira vista, o islandês Baltasar Kormákur consegue isso em seu quarto longa hollywoodiano, baseado nas graphic novels de Steven Grant. Ele proporciona um bom entretenimento para o público com a história de um agente da divisão de entorpecentes da polícia norte-americana, Bobby (Denzel Washington), e o oficial do serviço de inteligência da Marinha, Stig (Mark Wahlberg).

Disfarçados, os dois roubam um banco utilizado pelo tráfico de drogas. Ao descobrirem a identidade um do outro e se verem abandonados à própria sorte, ambos têm de se juntar novamente para tentar sair da mira dos bandidos.

TRAILER LEGENDADO DE "DOSE DUPLA"

Apesar de abusar da inverossimilhança em algumas sequências, o diretor faz um filme de ação que prende o espectador. Além da qualidade do som e de alguns planos interessantes, a chave está no roteiro repleto de piadas. Outro aspecto positivo é a presença dos atores Denzel Washington e Mark Wahlberg. Os astros sustentam tanto o vigor físico exigido nas cenas de combate quanto o lado cômico nas piadas do texto, seja pelo talento ou pelo carisma.

Contudo, "Dose Dupla" não fala apenas sobre a fidelidade nas relações sociais de amizade e parentesco, a exemplo do longa anterior de Kormákur, "Contrabando" (2012). Em seu trabalho mais recente, o cineasta vai mais a fundo e questiona a lealdade nas relações institucionais e internacionais.

UOL ENTREVISTA ELENCO DO FILME

  • Divulgação /

    Denzel Washington e Mark Wahlberg falaram
    com jornalistas durante evento no México

Algumas perguntas são feitas implicitamente no decorrer do filme. As instituições governamentais são leais ao seu povo? A corrupção não quebra a confiança estabelecida entre governo e população?

O outro caso é retratado com a relação entre Estados Unidos e México. Em uma associação injusta, o primeiro facilita, por baixo dos panos, a entrada de drogas do cartel da nação latino. Mas ao mesmo tempo, o Tio Sam combate ferozmente a entrada ilegal de imigrantes que, sem perspectiva de uma vida melhor em seu próprio país, buscam o sonho americano no vizinho rico.

Pela pitada de crítica colocada em uma fórmula de puro entretenimento, vale a pena conferir "Dose Dupla". Basta saber se o filme será leal às expectativas do público.

*As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
Topo