Filmes e séries

Cineastas canadenses recebem convites de Hollywood, mas preferem recusar

Mark Davis/Getty Images
12.set.2013 - Hugh Jackman e Jake Gyllenhaal posam para foto com o diretor canadense Denis Villeneuve na première de "Prisoners" em Beverly Hills Imagem: Mark Davis/Getty Images

Por Julie Gordon

13/09/2013 13h17

Pergunte à nova onda de diretores canadenses por que eles estão recebendo telefonemas de Hollywood e a resposta será simples: a florescente indústria de cinema canadense lhes permitiu a liberdade de contar histórias que querem contar e do jeito que desejam.

Em uma Hollywood erguida em torno do sucesso comercial - com frequência, à custa da originalidade - os cineastas canadenses estão agora levando suas vozes às grandes produções. Até o momento, o resultado tem sido bom.

O burburinho da temporada de premiações já está tomando corpo em torno de dois projetos apoiados por Hollywood: "Prisoners", de Denis Villeneuve, e "Dallas Buyers Club", de Jean-Marc Vallée, que tiveram sua pré-estreia no 38o. Festival Internacional de Cinema de Toronto, ambos com fortes críticas favoráveis.

"Acho que estamos no começo de algo realmente grande", disse Michael Dowse, que dirigiu "The F Word" e foi um dos roteiristas de "The Grand Seduction", que também tiveram sua primeira exibição no festival. "Acho que é um sinal de que nosso sistema nutre diretores e os deixa contar histórias que não precisam necessariamente se tornar um completo sucesso comercial."

Assim, enquanto gerações anteriores de cineastas canadenses, como Norman Jewison e Paul Haggis, fizeram as malas e se mudaram para o sul em busca de seus sonhos, a vigorosa indústria do Canadá tem diretores locais que agora preferem ficar por lá.

Vallée, que estourou com a produção franco-canadense "C.R.A.Z.Y. - Loucos de Amor", de 2005, fez depois filmes nos Estados Unidos, Grã-Bretanha, França e em sua terra natal, o Quebec, o qual ele não tem planos de deixar.

Enquanto isso, Villeneuve, apresenta ao festival seu primeiro trabalho em Hollywood, o intenso thriller "Prisoners", ao mesmo tempo que mostra sua voz claramente canadense em "Enemy", um drama no gênero do fantástico, sobre um ser duplicado.

Essa habilidade de focar em uma audiência variada é o forte da atual geração de diretores canadenses, disse o diretor artístico do festival, Cameron Bailey.

"Acho que os cineastas são bastante talentosos e bastante habilidosos. Eles poderão trabalhar onde quer que escolham", afirmou.

"Esses grandes diretores, que começaram a carreira no Canadá, não estão apenas se mudando para o outro lado da fronteira, no sul, mas estão trabalhando dos dois lados, indo e voltando", disse Bailey. "Acho que esse será o futuro do cinema canadense."

Na realidade, os filmes canadenses nunca foram tão fortes, e uma saudável injeção de grandes astros de Hollywood está ajudando a ampliar seu apelo, especialmente no gênero da comédia.

(Reportagem adicional de Mary Milliken em Toronto)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
Cinema
Colunas - Flavio Ricco
Topo