Filmes e séries

"Silent Hill: Revelação" faz adaptação sob medida para fãs de videogame

Alysson Oliveira

Do Cineweb*

10/10/2013 13h08

Baseado num jogo de videogame "Silent Hill: Revelação" é, no limite, o jogo levado ao cinema. Não existe muita diferenciação entre personagem digital e ator de carne e osso, tudo é fundido, feito sob medida para nossa era de fragmentação de identidade.

Dirigido por Michael J. Bassett, responsável por "Solomon Kane - O Caçador de Demônios", o longa cria momentos bastante bizarros com figuras estranhas, que despertam sentimentos que transitam entre a fascinação e a repugnância -- como um grupo de enfermeiras de postura bastante incomum, que parecem zumbis e cujos rostos são desprovidos de olhos, bocas, nariz.

Obviamente existe uma trama, mas ela é pouco mais do que um pretexto mínimo para conduzir a personagem numa jornada por personagens grotescos. Heather (Adelaide Clemens), filha da protagonista do primeiro filme, de 2006, mudou seu nome para Alessa, para evitar especulações de estranhos sobre os acontecimentos do passado. Ao lado de seu pai, Harry (Sean Bean), vive trocando de cidade.

Seus traumas têm a ver com a perda da mãe, Rose da Silva (Radha Mitchell), que salvou a filha de um lugar estranho chamado Silent Hill. Agora, é o pai da garota quem desaparece, e ela precisa resgatá-lo nesse mundo misterioso.

Em sua peregrinação pelo submundo assustador de Silent Hill, Heather vê materializados seus piores pesadelos. Para enfrentá-los, conta com ajuda de um novo colega de escola, Vincent (Kit Harington). Além das figuras bizarras, o caminho da garota também se cruza com atores de peso, como Deborah Kara Unger, Malcolm McDowell, Carrie-Anne Moss -- que parecem ter aceitado o trabalho para ganhar um dinheiro fácil.

É pouco provável que o interesse por "Silent Hill: Revelação 3D" vá além dos fãs do game ou, ao menos, das pessoas que já o conhecem. É difícil imaginar um leigo no assunto sendo atraído a um filme como este.

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Chico Barney
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo