Filmes e séries

"Temos um novo tipo de ditadura", diz Costa-Gavras sobre sistema financeiro

Patricia Reaney

Nova York (Estados Unidos)

23/10/2013 18h36

Após tratar de golpes militares, ditaduras e sequestros em filmes como "Z" e "Missing - Desaparecido", o premiado diretor e roteirista Costa-Gavras examina o sombrio mundo das finanças globais no acelerado drama "O Capital".

Baseado no livro homônimo de Stephane Osmont, a produção francesa estreia na sexta-feira (25) nos Estados Unidos (a estreia no Brasil foi no começo de outubro). A trama gira em torno de Marc Tourneuil, um ambicioso jovem executivo interpretado pelo marroquino Gad Elmaleh.

Costa-Gavras, 80 anos, grego naturalizado francês, já foi descrito como um dos maiores cineastas políticos da história, por causa de obas como "Estado de Sítio", "Atraiçoados" e "Music Box", numa carreira que abrange cinco décadas. Ganhou o Oscar de roteiro em 1983, por "Missing", e o de melhor filme estrangeiro por "Z", em 1969.

O cineasta falou à Reuters sobre o ímpeto para fazer "O Capital", sobre o mundo das finanças globais e sobre seu desejo de fazer um musical.

Por que o senhor fez um filme sobre as finanças globais?
Porque temos um novo tipo de ditadura, que é legal, completamente legal, e aceita por quase todos. É algo muito novo, na minha sensação, no nosso mundo. São as pessoas que dirigem a economia. Na maioria das vezes, não o tempo todo, elas são muito mais fortes do que as pessoas que elegemos para governar os países, por uma simples razão. (...) Elas são deixadas completamente livres (...), e chegamos ao ponto em que estamos agora, que é um ponto muito difícil.

"O Capital" também é sobre a falta de ética e a corrupção.
Se você não respeitar a dignidade dos outros, você não tem ética. Sem dúvida é sobre ética. (Os executivos de empresas) entendem muito rapidamente que eles pertencem aos acionistas, e que sua posição depende deles, e que se eles não fizerem o que os acionistas desejam eles vão perder sua posição. Aí quando eles crescem eles são como reis. Têm todo o dinheiro, poder e sexo, é muito difícil para a maioria deles perder todas essas coisas, então eles preferem ficar e esquecer da ética.

O senhor já fez muitos filmes políticos e thrillers premiados. Há planos de fazer um tipo de filme diferente - uma história de amor ou uma comédia?
Se você tiver uma história muito boa para um musical, estou pronto para comprá-la. É um sonho muito antigo meu - fazer um musical.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
redetv
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
Cinebiografia a caminho
Reuters
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
Roberto Sadovski
redetv
redetv
do UOL
EFE
EFE
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
EFE
EFE
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
redetv
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Jogos
Reuters
Topo