Filmes e séries

Documentário "Mais Que Mel" revê importância das abelhas para planeta

Alysson Oliveira

Do Cineweb*

31/10/2013 17h28

O documentário "Mais Que Mel" é inusitado ao retratar a vida das abelhas e o acentuado declínio na população mundial deste inseto. Ao investigar essa crise, o documentarista Markus Imhoof reflete sobre o nosso estágio de civilização - e como a organização social das abelhas espelha a nossa, e como nossa economia está destruindo isso tudo. A produção foi indicada como representante da Suíça para disputar uma das cinco vagas do Oscar de filme estrangeiro em 2014.

Segundo sustenta o documentário, sem abelhas, o mundo não sobreviverá por muito tempo. Dependemos delas para a polinização de árvores e flores, e consequentemente para a produção de uma boa gama de alimentos.

Não há muitas explicações ainda para a diminuição dos insetos, e os cientistas ainda estudam suas causas para poder reverter esse cenário. Algumas hipóteses que surgem envolvem pesticidas, pouca diversidade genética, parasitas. Já foi criado até um nome para descrever essa situação: "colony collapse disorder", que dizimou até 90 por cento das abelhas em algumas regiões do mundo.

Obcecada pelo máximo rendimento, a apicultura contemporânea parece muitas vezes não levar em conta fatores biológicos e ecológicos. Imhoof apresenta um retrato realista desta que se revela uma indústria cruel sem qualquer piedade por suas operárias, que chegam a ser transportadas em caixas pelo correio de um continente a outro.

A narrativa acompanha a modernização da produção de mel contrapondo duas figuras do presente, um apicultor artesanal da região alpina da Suíça e um americano que produz mel em escala industrial. É curioso como essas duas figuras são tão distintas, apesar de trabalhar com o mesmo produto final. O filme mostra como estágios diferentes do capitalismo convivem no mundo, e como são afetados pela mesma crise ao mesmo tempo.

O que parece ser uma saída para o problema, ironicamente, é a introdução das chamadas abelhas africanas. Mais agressivas, foram motivo de pânico algumas décadas atrás. "Os Estados Unidos sempre temeram ser invadidos", diz o apicultor americano Fred Terry, que trabalha com esse tipo de inseto.

Há algumas cenas impressionantes em "Mais Que Mel", quando vemos de perto as abelhas e o interior de suas colmeias. A grande perspicácia do filme está em usar as abelhas como um pretexto para abordar não apenas a questão ecológica, mas igualmente a geopolítica do capitalismo contemporâneo, também conhecida como globalização. Não é apenas o transporte de abelhas que acentua as diferenças e semelhanças dos processos econômicos pelo mundo. O filme mostra como a economia impõe que cada país ocupe um lugar e cumpra com sua função dentro da hierarquia - tal qual em uma colmeia.

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
EFE
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
EFE
Topo