Filmes e séries

Em "O Mordomo da Casa Branca", diretor Lee Daniels pesa no melodrama

Nayara Reynaud

Do Cineweb*

31/10/2013 17h22

Respeitar a figura retratada ou a história da personagem? Esse é um dilema comum durante a realização de qualquer cinebiografia. Às vezes, é necessário suprimir, alterar ou exagerar os fatos em favor da narrativa.

Essa justificativa serviria, a princípio, para aceitar as concessões feitas em "O Mordomo da Casa Branca", drama inspirado na história real de Eugene Allen, mordomo negro que serviu diversos presidentes na Casa Branca, entre 1952 e 1986, justamente na época da efervescência dos movimentos sociais e da luta por direitos civis dos negros.

Além da troca do nome - no filme, ele recebe o nome de Cecil Gaines (Forest Whitaker) -, a criação de um envolvimento de seu filho mais velho com os Panteras Negras é um dos exemplos dessas adições do roteiro aos acontecimentos reais. No entanto, subentende-se que todas essas alterações sejam feitas em benefício do personagem.

O diretor Lee Daniels, porém, erra e pesa a mão neste trabalho ao preterir a testemunha ocular da história do século XX, o simples Eugene, para criar Cecil, uma figura de importância superestimada dentro das negociações da Casa Branca.

O cineasta chega ao ponto de sugerir que as conversas do mordomo com seus patrões e, por acaso, presidentes dos Estados Unidos - John Kennedy, por exemplo -, teriam influenciado certas decisões governamentais.

Se, na chamada "vida real", não conseguimos assumir o protagonismo de nossa própria existência, será que os protagonistas da ficção precisam se portar como tal o tempo todo, principalmente quando se trata de um retrato biográfico?

Esse é só um dos fatores que tornam o filme sentimental. A trilha sonora é extremamente melodramática, a ponto de qualquer espectador perceber a manipulação. Há offs repletos de didatismo, utilizados como forma de o protagonista exprimir o que sente, que são totalmente desnecessários. A câmera, movimentando-se lentamente em travellings e pans, também imprime imponência a Gaines.

Apesar disso, o longa foi bem recebido pela crítica norte-americana. Pode ter pesado o fato de abordar temas tão importantes para a sociedade dos EUA, como a luta por direitos civis, os conflitos raciais e o preconceito, o que igualmente atrai o público.

Outra razão é a competência do elenco. Forest Whitaker é correto em seu protagonista em ação no trabalho e na fragilidade do ambiente familiar, ficando aquém apenas quando narra o off.

David Oyelowo como o filho Louis, cujos pensamentos sempre batem de frente com os do pai, também faz um bom trabalho, mesmo a partir de uma relação paternal mal estruturada no roteiro. Entre os vários coadjuvantes de renome no cinema e em outras áreas, as interpretações boas e ruins se alternam.

O destaque é mesmo de Oprah Winfrey, interpretando Gloria, a esposa do mordomo.

A apresentadora e atriz, que impressionou a todos no início de carreira, no clássico "A Cor Púrpura", de Steven Spielberg, volta à antiga função, vivendo uma mulher oprimida entre as discussões do esposo e do filho e que se entrega à bebida como forma de esquecer os problemas que a família passa. Sua atuação, segundo os especialistas em Oscar, a tem colocado como candidata certa a um prêmio da Academia.

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

EFE
do UOL
do UOL
do UOL
Cinebiografia a caminho
Reuters
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
Roberto Sadovski
redetv
redetv
do UOL
EFE
EFE
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
EFE
EFE
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
redetv
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Jogos
Reuters
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
AFP
Reuters
Topo