Filmes e séries

Filme coletivo "3X3D" traz curta de Godard sobre fragmentação da história

Alysson Oliveira

Do Cineweb*

02/01/2014 11h41Atualizada em 02/01/2014 18h11

O projeto de "3X3D" surgiu de encomenda da cidade portuguesa de Guimarães, que em 2012 foi a Capital Europeia da Cultura. A proposta era refletir sobre a produção cinematográfica em 3D, que parece ter vindo para ficar. Foram convidados o inglês Peter Greenaway, o português Edgar Pêra e o franco-suíço Jean-Luc Godard.

Como é comum acontecer nessas produções coletivas, o resultado do filme, que estreia em São Paulo nesta sexta (3), é irregular.

O filme começa com o curta de Greenway, que segue o mesmo padrão do russo "Arca Russa", de Alexander Sokúrov, filmando num único plano, sem cortes, para resumir a história de um lugar.

Aqui, o inglês tenta sintetizar a essência dos mais de dois milênios de Guimarães. Segue um percurso traçado entre a praça da Oliveira, a igreja da Senhora da Oliveira e os claustros do Museu Alberto Sampaio.

A história da cidade é relembrada por meio de figuras decisivas e tradições culturais.

Trailer do filme "3X3D"

Em 16 minutos, Greenaway tenta, em vão, dar conta da complexidade do processo histórico e de momentos-chave. Seu estilo sempre excessivo transforma a tela numa poluição visual repleta de cores, letras (nas mais diversas fontes), pessoas e informações, que saltam para fora da tela, enquanto narrações simultâneas saturam ainda mais o curta, intitulado "Just in Time".

Godard --provavelmente o maior chamariz de público para o filme-- faz em "The Three Disasters" uma montagem de material de arquivo, criando um ensaio sobre a fragmentação da história e a intersecção desta com a história do cinema. Por meio de filmes, repensa a trajetória da humanidade.

Nesse metacinema, o 3D é um suplemento, nunca a razão de ser, na dialética da forma e conteúdo, essência e aparência, realidade e representação. "O digital será uma ditadura", esbraveja o filme, que também cita cineastas "de um olho só", como Fritz Lang, John Ford, Nicholas Ray. É necessário se deixar levar pelo fluxo da montagem, das imagens e sons, sem a preocupação, ao menos, num primeiro momento, de decodificar seus sentidos.

Pêra, cujo "Cinesapiens" é o último episódio, faz um ensaio sobre a história do espectador de cinema ao longo das décadas. Baseado no projeto de doutorado do diretor, o filme alinha situações que transitam entre o cômico e o fantasioso. Há, ao menos, a tentativa de explorar as possibilidades de uso do efeito de terceira dimensão. Ainda assim, o resultado é insatisfatório.

No fundo, como já disse o crítico da "Variety", Peter Debruge, "3x3D" é um projeto de vaidade, que serve apenas para celebrar a cidade de Guimarães. Para os portugueses, o interesse que pode haver é o fato de o filme de Pêra ser a primeira produção do país a usar o 3D. Fora isso, o projeto deve gerar apenas uma curiosidade passageira. Aos fãs de Godard, só resta esperar seu próximo filme, cujo título é "Adeus à Linguagem", e foi filmado em 3D.

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
Cinema
Colunas - Flavio Ricco
Topo