Filmes e séries

"Uma Aventura Lego" diverte com paródia do mundo dos brinquedos

Alysson Oliveira

Do Cineweb*

06/02/2014 12h28

Emmet é um sujeito comum. Acorda cedo, pega o seu guia para uma vida feliz e alegre e segue à risca as regras, que envolvem vestir roupas e cumprimentar aos vizinhos, entre outras coisas. Ele é um peão de obra ingênuo e feliz na sua ignorância.

Pouco importa que o mundo onde vive é dominado por um ditador que atende pelo nome de Senhor dos Negócios. Nem o fato de ser um pequeno brinquedo de plástico parece ser um problema.

Ele é o protagonista da animação "Uma Aventura Lego", de Phil Lord e Christopher Miller (a mesma dupla de "Anjos da Lei" e "Tá Chovendo Hambúrguer"), e é também a última esperança para sua raça. Emmet e seus semelhantes vivem subjugados por um ditador que, agora com uma arma poderosa, pretende acabar com os movimentos de quem o desafiar. O filme estreia nesta sexta-feira (7) nos cinemas.

Uma profecia, no entanto, diz que o homem que encontrar a Peça de Resistência será o herói capaz de acabar com os poderes do Senhor dos Negócios. Em sua ingenuidade e boa vontade, Emmet poderá ser esse salvador.

A última esperança para um grupo de dissidentes que inclui Batman, Super-Homem, Mulher Maravilha, Gandalf, Dumbledore e outros, ele é levado ao grupo por Lucy, garota rebelde que parece uma versão Lego da heroína da trilogia Millenium, Lisbeth Salander.

"Uma Aventura Lego" segue mais ou menos a cartilha da jornada de um herói e, nesse sentido, é óbvio. Ao mesmo tempo, as cores vibrantes, os personagens carismáticos e o ritmo que beira a histeria tornam-no um filme muito especial. É bizarro ver esses bonequinhos num mundo de bloquinhos coloridos vivendo e agindo como humanos, e nessa bizarrice reside a graça do filme.

O uso do 3D é acertado ao conferir dimensão e textura aos personagens e cenários. O roteiro, assinado pelos diretores e Kevin Hageman ("Hotel Transilvânia"), tira proveito do estranhamento de ter em cena figuras tão peculiares com um modo de vida tão particular --além de fazer graça com os super-heróis, como o Batman egocêntrico e o Lanterna Verde querendo ser o melhor amigo do Super-Homem a todo custo.

"Uma Aventura Lego" prega, em sua essência, uma exaltação dos laços de afeto em detrimento dos valores deturpados da sociedade de consumo. O que não deixa de encerrar um certo paradoxo já que, em seus 100 minutos, o longa não deixa de parecer uma propaganda estendida da Lego.

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
Da Redação
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
Reuters
Roberto Sadovski
do UOL
Cinema
EFE
do UOL
UOL Jogos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Entretenimento
do UOL
UOL Jogos
Cinema
EFE
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
Topo