Filmes e séries

Comédia mexicana "Paraíso" discute padrões estéticos e sociais

Neusa Barbosa, do Cineweb

De São Paulo

06/08/2014 16h10

Não é só por eleger como sua musa uma heroína bem fora dos padrões estéticos e esquálidos vigentes que a comédia dramático-romântico mexicana "Paraíso", que estreia nesta quinta (7), se desvia das formulações quase inevitáveis do gênero.

Sem dúvida, é a joia do filme ter acertado com uma atriz tão natural e carismática quanto a estreante Daniela Rincón para interpretar sua rechonchuda protagonista, Carmen. Casada com um namorado da adolescência, Alfredo (Andrès Almeida), ela encarna com ele um protótipo de felicidade suburbana.

Comilões, gorduchos e apaixonados, eles moram em Satélite, um subúrbio da capital mexicana, têm um cachorro e uma árvore plantada no jardim. Ela trabalha no negócio de refeições dos pais.

Quando ele consegue um novo emprego numa grande empresa na Cidade do México, acena-se para uma perspectiva de ascensão social. Mas também de total mudança de parâmetros. Literalmente, o chão parece sair debaixo dos pés de Carmen, especialmente. Afinal, é ela quem será privada do trabalho familiar, do cachorro e das relações que a sustentavam até ali.

A inadequação da bagagem que os dois trazem para o novo apartamento é simbolizada pela imensa geladeira que não cabe na porta e tem que ser despachada de volta. Fora isso, é a própria figura física deles que não se ajusta ao figurino de sua nova classe social.

Numa festa da empresa do marido, Carmen ouve sem querer colegas dele cochichando sobre a gordura dos dois, descrevendo-os como dois "fugitivos de uma exposição de Botero" artista colombiano que, inclusive, Carmen só vai descobrir quem é pela Internet.

A dieta torna-se uma urgência para Carmen, levando-a a convencer o marido a acompanhá-la, mesmo relutante, às frenéticas reuniões de uma espécie de ?Vigilantes do Peso?. No processo, as posições se invertem e é ele quem se entusiasma bem mais pelo emagrecimento, descobrindo uma nova vaidade, um novo figurino, novos hábitos. E instala-se a crise no casamento feliz entre o par que se chamava entre si de "gordo" e "gorda".

Diretora que estreou em longas de ficção com o ótimo "Cinco Dias sem Nora" (2008), Mariana Chenillo, que adapta neste roteiro um conto de Julieta Arévalo, tem um olhar fino para as contradições humanas, os relacionamentos amorosos e também as expectativas da classe média, que é retratada em seus dois filmes.

Singelo na aparência, "Paraíso" coloca em questão muito mais do que a obsessão pela boa forma ou os limites da vida familiar e dos papeis sexuais, explorando o que é realmente felicidade ao colocar em xeque as fórmulas socialmente impostas de realização, sucesso e mesmo de emagrecimento, como se pudessem servir indiscriminadamente a todos, só restando aos "desviados da norma" a exclusão.

Por sua ternura com os personagens e um humor sutil, "Paraíso" remete, às vezes, à comédia alemã "Sugar Baby" (1985), de Percy Adlon em que a heroína de formas generosas, Marianne Sägebrecht, foi uma precursora da nova musa mexicana, Daniela Rincón.

*As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo