Filmes e séries

Apenas efeitos especiais salvam "No Olho do Tornado"

Rodrigo Zavala, do Cineweb Em São Paulo

Nada mais do que os caprichados efeitos especiais chamam a atenção em "No Olho do Tornado", filme catástrofe que estreia nesta quinta (28), em cópias 2D, 3D, I-Max e 4D.

Sem as pirotecnias digitais, a produção não passa de um amontoado de peças extraídas de outros sucessos do gênero, utilizando-se ainda do subterfúgio de falso documental, daqueles com câmera na mão.

A história, a princípio, tem dois foco narrativos. O primeiro é o dos caçadores de tornados, liderados por Pete (o comediante Matt Walsh) e a meteorologista Allison (Sarah Wayne Callies). Uma versão revisitada dos protagonistas de "Twister" (Bill Paxton e Helen Hunt, de 1996), sem o apelo romântico, mas com as numerosas discussões.

No outro núcleo está o pai, Gary (Richard Armitage), vice-diretor de uma escola na pacata cidade de Silverton. Seu filho mais velho, Donnie (Max Deacon), cinegrafista amador, está prestes a se formar e, a pedido do pai, filma com o irmão Trey (Nathan Kress) depoimentos de seus colegas de classe sobre o que almejam para o futuro.

Porém, em vez de ir à sua formatura, Donnie prefere a companhia de sua paixão, Kaitlyn (Alycia Debnam Carey), que precisa gravar uma reportagem nas cercanias da cidade. Sofreria apenas um castigo se não fosse o mega tornado que está se formando na região, ameaçando a vida de todos.

Não tarda muito para a equipe de Pete chegar a Silverton, mas sem prever a magnitude do ciclone, também se percebe em perigo. Em um ímpeto que se assemelha ao de "O Dia Depois de Amanha" (2004), Gary enfrenta a intempérie para salvar seu filho e, para isso, contará com a ajuda de Allison.

Com uma história sem grandes surpresas, o atrativo do filme é claramente a concepção visual, assinada por Marco Rubeo e Kirsten Oglesby. Claro que há exageros. Mas em um país onde os ciclones são uma realidade devastadora (destaque-se o furacão Katrina, em 2005), os efeitos devem ser extraordinários para impactar o público.

Como se trata de cinema-diversão, faz bem assisti-lo em salas que abriguem versões mais fervorosas, como as 3D ou 4D. Afinal, este filme se daria muito bem como atração em parques de diversão, como foi o "Twister". Detalhe: repare na vaca voando, em homenagem ao sucesso de 1996.

*As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Jogos
Reuters
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
AFP
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
Da Redação
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
Roberto Sadovski
Blog do Matias
do UOL
AFP
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
EFE
Colunas - Flavio Ricco
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
Cinema
Blog do Nilson Xavier
Topo