Filmes e séries

Filme sobre drones em Veneza quer estimular debate, diz diretor

Por Michael Roddy

VENEZA (Reuters) - O ator Ethan Hawke interpreta um piloto de drone (aeronave não-tripulada) que tem um colapso mental enquanto atinge alvos a 11 mil quilômetros de distância no filme "Good Kill", que estreou nesta sexta-feira Festival de Cinema de Veneza e quer estimular um debate.

Dizendo logo de cara se tratar de uma produção ?baseada em fatos reais?, o filme dirigido pelo neozelandês Andrew Niccol, cujo "Gattaca", de 1997 e também estrelando Hawke, foi indicado a um Oscar, é situado em uma base de operações de drone em 2010.

?O que me atraiu neste projeto foi a natureza esquizofrênica desta guerra ? é um novo tipo de guerra?, disse Niccol em uma coletiva de imprensa após a exibição.

?Nunca tínhamos tido um tipo de guerra na qual um soldado como o personagem de Ethan Hawke basicamente combate durante 12 horas com o Taliban e depois volta para casa, para a esposa e os filhos, e fica com eles mais 12 horas?, declarou.

Ele disse que os produtores do que afirma ser o primeiro filme de ficção sobre a guerra com drones procuraram a cooperação do Departamento de Defesa dos Estados Unidos para rodar a produção, mas que o pedido foi negado.

?Houve desafios, porque é muito difícil fazer um filme sobre militares sem apoio dos militares?, disse.

?Espero que ele desperte reflexões e discussões. Acho que a história é um alerta para que pensemos onde vamos chegar com este programa de drones?, acrescentou.

Las Vegas, com seus cassinos e seus letreiros de neon, é um contraste gritante com o mundo árido de cabanas na lama e paisagens desérticas que os operadores de drone veem em suas telas de comando.

Quando encerram o expediente, eles voltam para seus lares suburbanos, a um mundo de distância das cidades e vilarejos afegãos que os mísseis de suas aeronaves fulminam.

Hawke disse que a proximidade de Las Vegas ressalta a ideia de que os operadores e seus superiores estão ?na cidade do pecado julgando o resto do mundo?.

Mas seu personagem, o major Thomas Egan, é perturbado pelo ?dano colateral? ? os civis que morrem nos ataques, o que o leva a beber e a uma crise em seu casamento.

Niccol declarou que o filme não pretende ser pró ou antiguerra, mas que a linguagem fria dos operadores, em frases como ?autodefesa preventiva?, faria George Orwell, autor de "1984", revirar-se no túmulo.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Chico Barney
Roberto Sadovski
do UOL
EFE
EFE
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
EFE
EFE
Colunas - Flavio Ricco
Blog do Barcinski
Roberto Sadovski
redetv
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Jogos
Reuters
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
AFP
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
Da Redação
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
Roberto Sadovski
Blog do Matias
do UOL
AFP
Colunas - Flavio Ricco
Topo