Filmes e séries

Ação de McG e Luc Besson com Kevin Costner acerta na vertente cômica

Nayara Reynaud

Do Cineweb, em São Paulo

10/09/2014 15h36

O que esperar da união do francês Luc Besson com seus roteiros mirabolantes e estilo peculiar, do diretor norte-americano McG que usa a violência como trampolim para o humor, e do compatriota Kevin Costner que está mais acostumado a papéis épicos do que a filmes de ação? Esperava-se que o trio fosse um chamariz de bilheteria para "3 Dias Para Matar", que estreia nesta quinta (11), mas a produção conseguiu a muito custo se pagar, arrecadando US$ 25 milhões, pouco a mais do que seu orçamento de US$ 28 milhões.

A história traz Ethan Renner (Kevin Costner), um agente da CIA diagnosticado com um grave tumor cerebral e que está à beira da morte. Enquanto tenta se afastar do trabalho e se reaproximar da filha, Zooey (Hailee Steinfeld), e da ex-mulher (Connie Nielsen), ele tem a oportunidade de conseguir uma sobrevida com uma droga experimental, mas só poderá obtê-la se executar os serviços solicitados pela provocante Vivi (Amber Heard). O script criado por Besson com Adi Hasak ainda introduz a trama de uma família de imigrantes que ocupa o apartamento de Ethan em Paris. 

A introdução do novo convívio do protagonista com a filha poderia trazer uma nuance mais dramática ao longa, com o pretexto da aproximação familiar com a iminência da morte. Mas uma das cenas que mais apela para o lado emocional do público, quando o pai finalmente ensina a filha a andar de bicicleta em uma praça parisiense cheia de turistas, pode levar o espectador ao riso. 

É quando aposta na vertente cômica que "3 Dias Para Matar" flui melhor, seguindo um tom cartunesco em muitos momentos, como nas malucas cenas em que os torturados por Ethan acabam ajudando em sua relação com a filha. 

Coadjuvantes como o mafioso pai de família árabe Mitat (Marc Andréoni) também chamam mais a atenção quando o humor está em questão. Mas Kevin Costner, embora não pareça totalmente à vontade, consegue criar uma boa relação de pai e filha com Hailee Seinfeld, eficiente nas dúvidas e revoltas de sua personagem adolescente.

*As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Estadão Conteúdo
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
UOL Cinema - Imagens
redetv
redetv
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
Reuters
Reuters
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
redetv
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
Cinebiografia a caminho
Reuters
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
Roberto Sadovski
redetv
redetv
do UOL
EFE
EFE
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
EFE
EFE
Colunas - Flavio Ricco
Topo