Filmes e séries

Keira Knightley canta e não convence em "Mesmo se Nada Der Certo"

Alysson Oliveira

Do Cineweb, em São Paulo*

17/09/2014 15h46

Há quase uma década, o roteirista e diretor irlandês John Carney entrou no radar com um romance de orçamento mínimo, chamado "Apenas uma Vez". Sem qualquer astro ou outro chamativo, o filme fez uma carreira considerável no circuito de arte, e ganhou o Oscar de canção original em 2008. O raio não costuma cair duas vezes no mesmo lugar, diz a sabedoria popular, e "Mesmo se Nada Der Certo", que estreia no Brasil na quinta-feira (18), é prova disso.

Aqui, novamente Carney tem o cenário musical como tema, deslocado de uma gélida e pacata Dublin para uma Nova York feita para turista, com elenco famoso, encabeçado por Mark Rufallo e Keira Knightley. Ele é Dan, um executivo da indústria musical cuja carreira afundou na bebida, que perdeu o amor da mulher, Mirian (Catherine Keener), crítica de música, e o respeito da filha adolescente, Violet (Hailee Steinfeld).

Keira é Gretta, uma aspirante a cantora inglesa que se muda para Nova York com o namorado músico, Dave (Adam Levine, da banda Maroon 5). Quando ele fica realmente famoso, ela é jogada para escanteio. Deprimida, compõe uma canção pegajosa que Dan ouve por acaso, entre um copo e outro, e percebe potencial na moça sem graça, sem voz ou presença de palco.

Depois de romper com a gravadora que ele mesmo ajudou a fundar e estabelecer, Dan decide lançar a carreira de Gretta de forma quase caseira. Eles vão gravar um disco demo nas ruas de Nova York, com uma banda e tudo mais, e com os sons da cidade invadindo a gravação.

Trailer legendado de 'Mesmo Se Nada Der Certo'

Entre idas e vindas, "Mesmo se Nada Der Certo" conta a decadência e ascensão da dupla, que se une pelo objetivo de relançar a carreira de um e dar o estrelato à outra.

Carney trazia uma percepção delicada e profunda do casal de protagonistas de "Apenas uma Vez", mas aqui deixa tudo isso de lado para narrar uma história óbvia de superação e sucesso, que se torna entediante na medida em que a conclusão começa a ficar clara.

Rufallo é sempre uma presença grata --mesmo quando parece fazer o mesmo personagem pela centésima vez-- enquanto Keira não convence como cantora, aspirante a estrela ou quando canta sua musiquinha chata de dor de cotovelo. Mas é em Hailee Steinfeld --que já havia mostrado a que veio na refilmagem de "Bravura Indômita"-- que o filme realmente encontra algo pertinente. Pena sua personagem ser uma mera coadjuvante do casal central.

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
redetv
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
Cinebiografia a caminho
Reuters
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
Roberto Sadovski
redetv
redetv
do UOL
EFE
EFE
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
EFE
EFE
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
redetv
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Jogos
Reuters
Topo