Filmes e séries

Scorsese homenageia a revista New York Review of Books em novo filme

Patricia Reaney

De Nova York (EUA)

26/09/2014 15h56

O diretor de cinema Martin Scorsese sabia que fazer um documentário sobre uma reverenciada revista de críticas literárias seria um desafio, razão pela qual ele abordou "The 50 Year Argument" ("O Argumento de 50 Anos", em tradução livre) como um concerto, lançando mão de entrevistas e imagens de arquivo para transmitir a necessária emoção.

No filme, que será exibido no Festival do Rio iniciado nesta semana, o vencedor do Oscar Martin Scorsese e o codiretor David Tedeschi mergulham nos bastidores da The New York Review of Books, que comemorou 50 anos de existência no ano passado e influenciou gerações de escritores e leitores.

"Lembro-me de descobrir a revista em uma banca em 1963, quando saiu pela primeira vez", disse Scorsese. "E ainda tem um impacto sobre mim."

"The 50 Year Argument" detalha as coincidências temporais que levaram à fundação da revista: uma greve geral nos jornais de Nova York, a insatisfação sobre como os livros costumavam ser resenhados e um conversa ao longo de um jantar.

O poeta Robert Lowell e sua esposa, a crítica literária e autora Elizabeth Hardwick, discutiram a ideia com o editor Jason Epstein e sua esposa, Barbara. Eles então convocaram o amigo Robert B. Silvers para ser editor da publicação ao lado de Barbara Epstein, falecida em 2006.

"Não buscávamos ser uma parte do establishment; queríamos analisar o establishment", diz Silvers, com 84 anos e ainda editor da revista, no filme.

Embora tenha começado com a intenção de fazer a crítica de livros e destacar escritores, durante suas cinco décadas a publicação se tornou uma instituição, cobrindo arte, política e grandes temas atuais, do Vietnã ao Iraque.

"Foi realmente um desafio", disse Scorsese, "como tornar a história excitante e interessante para uma geração jovem num momento em que a informação para eles é algo imediato e as opiniões estão em toda parte."

Scorsese encontrou o impacto visual e emocional de que precisava por meio das entrevistas que fez para o filme, incluindo Silvers em seu gabinete abarrotado de livros, o linguista Noam Chomsky e o dramaturgo irlandês Colm Toibin. Ele se valeu também de imagens de arquivo filmadas por escritores como Susan Sontag, James Baldwin e outros.

"Eu pensei em talvez estruturar como uma peça musical e a música seria as próprias palavras surgindo na tela", explicou Scorsese.

A revista Variety achou o filme "um incisivo retrato sobre uma instituição cultural de vanguarda", enquanto a Hollywood Reporter descreveu o longa como "um belo e estimulante documentário."

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
Topo