Filmes e séries

Comédia estrelada por Leandro Hassum fala de política com humor rasteiro

Alysson Oliveira

Do Cineweb, em São Paulo

01/10/2014 17h00

Nos últimos anos, o ator Leandro Hassum se tornou sinônimo de sucesso no cinema brasileiro. Por sucesso, entenda-se, alta bilheteria, pois os filmes protagonizados por ele estão longe de algum outro tipo de êxito.

Com títulos como os dois "Até que a Sorte nos Separe" e "Vestido para Casar", ele encontrou seu público. Se até então fazia um humor "pra toda a família", com até um algo de ingênuo, em sua nova empreitada, "O Candidato Honesto", o humorista apela para piadas típicas do humor rasteiro, envolvendo flatulência e traseiros em janela de ônibus. Sim, esse é o nível. O filme estreia nesta quinta (2).

Hassum interpreta, por assim dizer, João Ernesto, um candidato corrupto e favorito na corrida à Presidência do país. Sua trajetória começa como líder sindical dos motoristas de ônibus, que depois de perder um mamilo num acidente de trabalho entra para a política.

Ele é corrupto e não faz muita questão de esconder isso, para desespero de seus marqueteiros. Porém, quando sua avó (Prazeres Barbosa) está à beira da morte, ela parece lhe rogar uma praga. A partir de então, ele se torna incapaz de mentir.

Dirigido por Roberto Santucci cuja filmografia inclui os dois "Até que a Sorte..." e os dois "De Pernas pro Ar", "O Candidato Honesto" parece também não se esforçar muito para esconder que sua fonte de inspiração, por assim dizer, é o "Mentiroso", que Jim Carrey protagonizou em 1997, em que o ator canadense encarnava um advogado incapaz de mentir por 24 horas.

Desprovido de qualquer amarra, João começa a falar tudo o que lhe vem à cabeça, como ofender sua mulher (Flávia Garrafa) num programa de televisão à la o de Ana Maria Braga, ou fazer seu anúncio de TV confessando que não cumprirá nenhuma das promessas.

A parte ?séria? do filme envolve uma jovem jornalista, Amanda (Luiza Valdetaro), que acredita na capacidade de João, e pensa que ele pode ser um bom político.

O roteiro, assinado por Paulo Cursino responsável pelos textos das franquias "De Pernas...", "Até que a Sorte...", além de "O Diário de Tati", entre outros não se esforça muito. As situações cômicas parecem piadas que são requentadas a cada dois anos quando há eleições.

Como esquete de humorístico da televisão, "O Candidato Honesto" poderia até funcionar, mas como um longa de quase duas horas, não há enrolação e humor mal resolvido que segure. E, no fim das contas, o horário eleitoral gratuito exibido na televisão tem mais cinema e mais humor (involuntário, na maior parte das vezes), do que esse filme inteiro.

*As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Estadão Conteúdo
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
UOL Cinema - Imagens
redetv
redetv
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
Reuters
Reuters
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
redetv
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
Cinebiografia a caminho
Reuters
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
Roberto Sadovski
redetv
redetv
do UOL
EFE
EFE
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
EFE
EFE
Colunas - Flavio Ricco
Topo