Filmes e séries

Michael Keaton diz que seu papel em "Birdman" é complicado e interessante

Patricia Reaney

De Nova York

16/10/2014 11h33

Michael Keaton pendurou a capa de "Batman" há mais de duas décadas, mas o versátil ator alcançou um novo patamar com uma atuação de fôlego em "Birdman".

No longa do diretor mexicano indicado ao Oscar Alejandro Gonzalez Iñarritu ("21 Gramas" e "Babel"), que estreia nos cinemas dos EUA nesta sexta-feira (17), Keaton interpreta o ator Riggan Thomson, que, como ele próprio, ganhou fama interpretando um super-herói em uma franquia de ação muitos anos antes.

Mas Riggan é atormentado por seu personagem, Birdman, e por um sentimento de fracasso e mediocridade. Ele então lança mão de uma desesperada tentativa de reconquistar sua credibilidade profissional e sua autoestima ao montar uma peça na Broadway baseada no conto "De que Falamos Quando Falamos de Amor", de Robert Carver.

"Ele é um personagem realmente complicado, o que sempre dificulta o trabalho, mas o deixa mais interessante também", disse Keaton, 63 anos, em entrevista.

"Birdman" é um filme sobre uma peça que Iñarritu engenhosamente filmou no famoso St. James Theater, na Broadway, no que parece uma tomada longa, contínua e sem emendas.

Foi um novo território tanto para o diretor quanto para sua equipe. Cada cena segue o fluxo da próxima, à medida que a câmera segue Riggan por estreitos corredores de teatros, em camarins, para o palco e para fora do teatro na movimentada Times Square, ao ritmo de tambores.

À reportagem, Keaton disse que nunca viu um filme como esse e admite que houve momentos nos quais ele se questionava por que estavam fazendo o longa daquele jeito, que exigia muitos ensaios, pouco espaço para erros e um comprometimento total dos atores.

"A verdade é que isso não funciona se não fizer assim, porque você não embarca na viagem. Você não conseguiria entrar profundamente", explicou o ator. "Há um momento quando se assiste ao filme, e você, em silêncio, ouve uma porta fechar atrás, e você não vai sair. Você está dentro. Então você entra na cabeça do sujeito."

Keaton escava profundamente o personagem, em uma atuação que conquistou impressionante sucesso de crítica, definida pela revista "Variety"  como "a volta do século".

Segundo o ator, uma das coisas mais inteligentes que Iñarritu fez foi apresentar ao elenco uma foto do equilibrista francês Philippe Petit, que andou entre as torres gêmeas do World Trade Center em 1974. Também atuam no filme Naomi Watts e Emma Stone.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
Topo