Filmes e séries

Comédia argentina "Relatos Selvagens" explora a vingança com humor negro

Alysson Oliveira

Do Cineweb, em São Paulo

22/10/2014 17h25

Chegamos a um ponto que só nos resta a barbárie, parece dizer o argentino "Relatos Selvagens", exibido em competição em Cannes, filme de abertura da Mostra SP, e que agora estreia no Brasil. Composto de pequenas histórias de cunho moral e humor negro, o longa de Damián Szifrón, que estreia nesta quinta (23), tornou-se a maior bilheteria nacional em seu país e busca uma indicação ao Oscar de melhor filme estrangeiro.

O pequeno prólogo é um primor, envolvendo um avião, meia dúzia de passageiros e um tal de Gabriel Pasternak. Curto e inusitado, esse segmento define o tom ao que vem a seguir: uma sátira social ácida, que se passa na Argentina, mas não estaria de todo descabida se situada no Brasil e outros lugares.

As situações transitam entre o sujeito num dia de fúria contra o sistema interpretado por Ricardo Darín a explosão de raiva de uma noiva traída (Erica Rivas), uma espécie de luta de classes na autoestrada (com Leonardo Sbaraglia e Miguel Ángel Platinado Grando), e a corrupção.

Combinando humor, tons surrealistas e melodrama o que remete ao cinema de Pedro Almodóvar (um dos produtores do longa)—, Szifrón, que também assina o roteiro, questiona a validade de uma vingança. Para criar o efeito cômico, as tramas caminham para o exagero, mas nem por isso são de todo descabidas apenas um tanto improváveis.

Numa delas, por exemplo, dois homens criam uma disputa na estrada. Um deles, visivelmente rico (Sbaraglia) e outro pobre (Platinado Grando). O que começa com uma perseguição com ecos de "Encurralado", de Steven Spielberg se transforma em algo surreal, como nas eternas rusgas entre Papaléguas e Coyote do desenho animado.

Darín é um engenheiro especializado em implosões, que se volta contra o sistema burocrático depois de receber uma multa ? não injusta, na verdade. Mas o sistema se revela corrupto numa história envolvendo um homem influente e seu filho, que atropela e mata acidentalmente e sem prestar socorro uma mulher grávida.

A trama se revela gradativamente, incorporando o motorista da família e mostra que, no inferno, ninguém se salva.

Nesse, como nos outros segmentos, a trama se constrói com altas doses de suspense, bem como uma indagação de até onde o diretor será capaz de ir ? e ele vai bem longe, basta ver o último episódio, que também é o melhor. Protagonizado por Erica Rivas, interpretando uma noiva que descobre, durante a festa, que seu recém-marido a trai com uma colega de escritório. A vingança é um prato que se come entre cortar o bolo e jogar o buquê.

*As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
redetv
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
Cinebiografia a caminho
Reuters
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
Roberto Sadovski
redetv
redetv
do UOL
EFE
EFE
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
EFE
EFE
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
redetv
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Jogos
Reuters
do UOL
EFE
Topo