Filmes e séries

Pai superprotetor e explosivo traz humor ao francês "Grandes Amigos"

Rodrigo Zavala

Do Cineweb, em São Paulo

22/10/2014 17h05

Agilidade, ironia e um bom elenco marcam a estreia da dupla de diretores franceses Stéphan Archinard e François Prévôt-Leygonie com a comédia dramática "Grandes Amigos", que estreia nesta quinta (23). Nesta história, não há tempo para pausas estilísticas ou grandes silêncios, pois a narrativa corre sem se apegar a detalhes.

Exemplos não faltam. Se em uma cena um personagem decide se candidatar, na próxima está praticamente eleito. Se está indo viajar, na outra, já voltou. Enfim, tudo avança, de forma fragmentada, para chegar logo ao desfecho, que, surpreendentemente, é um tanto decepcionante, visto o temperamento explosivo do protagonista Walter Orsini (Gérard Lanvin).

Dono de um restaurante sofisticado em Paris, apesar de justo, reage de forma intempestiva sempre que confrontado. Dono de princípios e valores rígidos, ainda adolescente, chegou a abandonar o próprio pai na Itália, quando este mentiu sobre a morte de sua mãe.

Os únicos que o aturam são seus melhores amigos, o escritor Paul (Jean-Hugues Anglade) e o livreiro Jacques (Wladimir Yordanoff), além da ex-mulher Stéphanie (Zabou Breitman), com quem vive às turras por causa da filha Clémence (Ana Girardot), de 20 anos. Sufocada pela superproteção do pai, com quem vive, a moça recebe até café na cama.

O que Orsini não esperava era que sua filha se apaixonasse, e fosse correspondida, por Paul, que passa a escrever melhor nos braços da jovem. Com receio da reação paterna, os amantes (ele é casado) preferem manter segredo, descoberto por todos menos o protagonista, justamente aquele que não admite mentiras.

A história, assim, é carregada de um humor sutil, potencializado pelo trabalho dos atores centrais, com claro destaque a Lanvin (de "O Gosto dos Outros", 2000). Mas a produção não vai muito além disso, com sua estrutura acelerada, sem grandes momentos, sejam eles técnicos ou narrativos. Um trabalho, por isso, mediano dos diretores iniciantes, lançado com dois anos de atraso no Brasil.

*As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
Chico Barney
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Topo