Filmes e séries

"Tim Maia" retrata ascensão e queda do maior ícone brasileiro do soul

Neusa Barbosa Do Cineweb, em São Paulo

Como se diz popularmente, demorou. Dezesseis anos depois de sua morte, finalmente surge uma cinebiografia de um dos maiores e mais polêmicos ídolos da música popular, "Tim Maia", assinada por Mauro Lima ("Meu Nome Não é Johnny", "Reis e Ratos") e que estreia nesta quinta (30).

Nem uma minissérie com vários capítulos daria conta de todos os aspectos da vida do talentoso artista, que nasceu pobre, numa família carioca da Tijuca, com numerosos filhos, em 1942.

Aluno num colégio católico, ainda menino se aproximou da música e da confusão. Porque, desde garoto, Sebastião Rodrigues Maia (Robson Nunes, na juventude) não era de dar mole a ninguém quando perdia a calma. Uma característica que o acompanhou até a morte precoce, aos 55 anos, em 1998.

O talento, no entanto, era diretamente proporcional ao fogo de seu temperamento. Mas ser negro e pobre atrapalhava tudo. Ele passou muito tempo entregando marmitas para sua mãe, atividade que complementava a sobrevivência da família. De quebra, sempre dava um giro numa lanchonete do bairro, onde tomava água de torneira e recolhia eventuais restos deixados pelos clientes.

Mas foi ali mesmo que conheceu músicos que, como ele, se consagrariam depois, como Roberto Carlos (George Sauma) e Erasmo Carlos (Tito Naville). Roberto, inclusive, integrou um dos primeiros grupos ao lado de Tim (ainda chamado Tião), os Sputniks, que teve uma chance num popular programa de Carlos Imperial (Luis Lobianco) de onde Roberto decolou para a fama.

Roberto Carlos, aliás, tem tudo para se sentir incomodado pela maneira como é retratado no filme e que obedece, segundo o diretor e corroteirista (com Antônia Pellegrino), a informações constantes da biografia de Maia assinada por Nelson Mota, "Vale-tudo - O Som e a Fúria de Tim Maia". No filme, registram-se várias tentativas frustradas de contato de Tim com o agora famoso amigo que, quando finalmente encontrado, esnoba-o por um bom tempo.

Este é, em todo caso, apenas um dos muitos tropeços na acidentada trajetória do cantor, que passaria um tempo nos Estados Unidos, apenas para envolver-se no roubo de um carro e uso de drogas que lhe garantiriam um período na cadeia e uma deportação.

De volta ao Brasil, ele recomeça tudo. Agora interpretado por Babu Santana, vai parar na casa de Fábio (Cauã Reymond) um personagem fictício, que é uma colagem de várias pessoas que passaram pela vida do cantor e funciona como narrador.

Daí em diante, vêm o sucesso, as drogas, os altos e baixos emocionais, o casamento instável com Janaina (Alinne Morais, também uma fusão de várias mulheres da vida dele), a decadência profissional (houve uma época em que ninguém sabia se ele ia aparecer nos poucos shows que conseguia) até a morte.

São muitas situações complexas e o filme tenta abarcar essas passagens de tempo com diversos cenários de reconstituições de época, em que se sucedem penteados e figurinos, em geral, bem cuidados --marca da direção de arte de Claudio Amaral Peixoto, numa produção com orçamento de 10 milhões de reais.

Se o casting do protagonista é perfeito, nem sempre o acerto se repete com outros personagens o que é o caso de Mallu, que interpreta numa rápida cena, mas nem se aproxima do que foi a verdadeira Nara Leão (embora tenha uma voz bonita).

Não haveria mesmo forma de dar conta de todo o turbilhão que representaram Tim Maia e sua época. Mas pelo menos o filme é eficiente em não satanizar os aspectos mais controversos de sua personalidade, o que é um mérito de seus dois excelentes intérpretes.

Babu Santana até se arrisca, e se dá bem, interpretando com a própria voz algumas canções, como "Ela Partiu", "Sossego", "Azul da Cor do Mar" e "Não quero dinheiro". Nessas horas, parece até que o verdadeiro Tim baixou nele.

*As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Roberto Sadovski
do UOL
AFP
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
redetv
do UOL
EFE
Colunas - Flavio Ricco
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
Cinema
redetv
redetv
redetv
redetv
Blog do Nilson Xavier
do UOL
Reuters
EFE
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Da Redação
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
Topo