Filmes e séries

"Uma Viagem Extraordinária" retrata aventura de menino superdotado

De Neusa Barbosa

Do Cineweb, em São Paulo

05/11/2014 16h30

Diretor conhecido por filmes com um toque de fantasia, o francês Jean-Pierre Jeunet ("Delicatessen", "O Fabuloso Destino de Amélie Poulain") entra à vontade no universo de "Uma Viagem Extraordinária", em que o ponto de partida é o livro "O Mundo Explicado por T.S. Spivet", de Reif Larsen. O filme estreia nesta quinta (6).

Tudo gira em torno de um menino de 10 anos, que atende pelo nome quase solene de T.S. Spivet (o cativante Kyle Catlett) que nada mais é do que o apelido do impronunciável nome Tecumseh Sparrow, a obscura combinação de um nome indígena e um suposto incidente de seu nascimento, envolvendo um pardal ("sparrow", em inglês).

O nome maluco é um símbolo de muitos contrastes na vida desse menino, um geniozinho superdotado, com talento para todos os ramos científicos, que vive num bucólico rancho de Montana, filho de pais que não poderiam ser mais opostos um cowboy caladão à moda antiga (Callum Keith Rennie) e uma mãe entomóloga, a doutora Clair (Helena Bonham Carter).

Nesse ambiente, em que a amplidão da natureza é páreo apenas para a curiosidade de T.S., uma tragédia abalou a família, envolvendo o garotinho, Layton (Jakob Davies), seu filho do meio. Um episódio que, com todo o trauma que criou, é envolto pelo silêncio e por um sentimento de culpa de T.S.

Nesse contexto, ele recebe um telefonema, pelo qual é notificado de que ganhou um prêmio de um dos mais renomados institutos científicos do país, o Smithsonian, pela invenção da máquina do movimento perpétuo. Naturalmente, T.S. não vê a hora de receber o troféu, mas tem um problemão ninguém imagina que ele não passa de uma criança, muito menos os organizadores do prêmio.

Desistir não está nos planos do audacioso garoto, que planeja uma viagem até a capital norte-americana, Washington, sem contar nada nem aos pais, nem à irmã mais velha, Gracie (Niamh Wilson).

Muito do filme retrata esta aventura, levada adiante por trem, em que T.S. terá que desenvolver seus instintos de maneira jamais tentada antes, conferindo à jornada um sabor nostálgico, de filmes à moda antiga, ao percorrer diversas paisagens dos EUA que a versão em 3D particularmente valoriza.

Na segunda parte, a modernidade se impõe, especialmente no enfrentamento com a mídia que está no caminho de T.S. Muito da história funciona com base na peculiar excentricidade de seu núcleo familiar, e no encanto do garotinho um talento natural diante das câmeras, uma mistura singular de graça, fragilidade e ternura, além de uma esperteza toda especial.

*As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
Cinema
Topo