Filmes e séries

Falta paixão no romance de Patrice Leconte "Uma Promessa"

Rodrigo Zavala Do Cineweb, em São Paulo

Conhecido pela originalidade dos textos, a excentricidade das personagens e a competência técnica de suas realizações, o diretor francês Patrice Leconte (de "O Marido da Cabeleireira", "Meu Melhor Amigo", "A Viúva de S. Pierre" e a cínica e humorada animação "A Pequena Loja de Suicídios"), investe aqui em um romance de época praticamente protocolar. O filme estreia nesta quinta (20).

Baseado no conto "Viagem ao Passado", de Stefan Zweig (publicado postumamente), que Leconte adaptou com a ajuda de seu usual colaborador Jérôme Tonnerre, o filme conta uma história de amor ambientada na Alemanha em 1912, em que falta justamente paixão. De forma sintomática, a narrativa carece da emoção e sensualidade (mesmo que um tanto pudica) da obra.

No roteiro, o jovem Friedrich Zeitz (Richard Madden, da série "Game of Thrones") é contratado para trabalhar na siderúrgica de Karl Hoffmeister (o extraordinário Alan Rickman). Esperto e diligente, o rapaz é logo alçado a secretário pessoal do patrão, que o trata como uma espécie de protegido.

Quando a saúde de Karl degringola, Friedrich passa a conviver na casa do chefe (é até chamado a viver lá) e se torna íntimo da família. Em especial, de Lotte (Rebecca Hall, de "Transcendence"), a jovem esposa de Karl. Entende-se que dali nascerá uma paixão arrebatadora, que fará Friedrich decidir entre a lealdade ao chefe e o seu novo amor.

Embora exista atração, materializada na cena em que o protagonista sente o perfume de Lotta no piano (ela toca incessantemente a "Sonata Patética" de Beethoven), o casal evita expressar seus sentimentos, transparentes para quem assiste. O desejo só ganha forma quando Friedrich é enviado ao México, levando ambos a firmar a tal promessa do título.

Embora o argumento mostre-se correto, o trabalho realizado por Leconte causa certos estranhamentos. O primeiro é a fotografia monótona do português Eduardo Serra (outro colaborador constante do diretor), que torna a relação Friedrich/Lotte ainda mais insípida, graças à falta de empatia entre Madden e Hall. Outro é o irregular tratamento de um ponto chave da trama: a dolorosa passagem do tempo para os possíveis amantes.

Inexplicavelmente, isso não parece fazer efeito sobre as personagens, seja fisicamente, seja nas insossas cartas que Lotte escreve para si mesma, pois é impossível postá-las durante a Primeira Guerra Mundial.

O filme, nesse sentido, não apresenta nenhum dos elementos que marcam o estilo tão original e intenso da filmografia de Leconte e o tornaram um dos melhores diretores franceses. "Uma Promessa", assim, mostra-se frustrante.

*As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Roberto Sadovski
do UOL
AFP
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
redetv
do UOL
EFE
Colunas - Flavio Ricco
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
Cinema
redetv
redetv
redetv
redetv
Blog do Nilson Xavier
do UOL
Reuters
EFE
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Da Redação
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
Topo