Filmes e séries

"As Aventuras de Paddington" faz bom trabalho ao levar ursinho aos cinemas

Alysson Oliveira

Do Cineweb

03/12/2014 16h12

O ursinho de pelúcia Paddington é uma espécie de ícone da cultura pop inglesa, algo como, digamos, um James Bond. Apesar de algumas incursões à TV, o animal nunca havia tido seu longa de cinema, o que agora acontece nesta adaptação, que estreia no Brasil nesta quinta (4) em cópias dubladas. Como é de se esperar, é um filme-família que mira mais no público infantil, mas se esforça para não entediar os adultos acompanhantes.

A história começa com um filme antigo de um explorador inglês, Montgomery Clide (Tim Downie), nas florestas do Peru, onde se torna amigo de um casal de irmãos ursos, aos quais promete amizade e hospedagem "caso estejam algum dia em Londres", além de ensinar-lhes um pouco da língua inglesa.

Anos mais tarde, o sobrinho deles, um urso órfão (dublado por Danilo Gentili), acaba sendo mandado para a Inglaterra depois de um acidente natural no local onde mora. Sua tia espera que ele consiga um lar, como os órfãos da Segunda Guerra. Por isso, coloca um aviso pendurado em seu pescoço. Ele é encontrado pela família Brown, na estação de Paddington daí seu nome.

O Sr. Brown (Hugh Bonneville), pragmático que é, não gosta muito da ideia. Mas sua mulher, a Sra. Brown (Sally Hawkins), que é ilustradora e dada a fazer caridades, o convence a dar abrigo ao urso até que encontrem o explorador que lhe prometeu um lar. Os filhos reagem de formas opostas: o caçula Jonathan (Samuel Joslin) fica feliz em ter um amigo. Mas Judy (Madeleine Harris), que é adolescente, não gosta nada da ideia, acreditando que o animal só será motivo de vergonha.

Ao mesmo tempo, uma taxidermista (Nicole Kidman), que trabalha no Museu de História Natural, fica sabendo da chegada do urso a Londres, e, pela raridade do animal, fica interessada em empalhá-lo e colocá-lo em exposição.

A trama do filme consiste, basicamente, nas trapalhadas do urso tentando se ajustar a um ambiente que não é o seu e pode ser mais inóspito que uma floresta peruana, além de fugir da vilã.

O humor é, claro, tipicamente britânico - especialmente com o ranzinza Sr. Brown e um tanto ingênuo para o público infantil. E o urso, enquanto personagem animado, transita entre o real e o lúdico afinal, um urso que fala e se comporta como humano não pode ser encarado como algo realista.

*As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
Topo