Filmes e séries

Mads Mikkelsen luta por justiça em adaptação francesa de "Michael Kohlhaas"

Rodrigo Zavala

Do Cineweb

03/12/2014 16h00

O polivalente ator dinamarquês Mads Mikkelsen, de "A Caça" e "O Amante da Rainha", tem uma presença de cena quase hipnótica. Com um rosto cujas feições parecem esculpidas em pedra, é contagiante e carismático nos mais diferentes papéis, sejam eles de características mercuriais ou de absoluta serenidade. Entende-se, portanto, porque ele é o grande chamariz do drama histórico "Michael Kohlhaas - Justiça e Honra", que estreia nesta quinta (4), mesmo não sendo sua atuação mais expressiva.

Baseada no romance do alemão Bernd Heinrich Von Kleist (1777/1811), a história narra a luta do personagem título em sua busca por justiça no século 16. Ele é um negociante de cavalos que, ao ir à cidade, tem dois de seus melhores animais confiscados por um barão (Swann Arlaud), como garantia à licença de transitar por ali.

Quando descobre que o documento é ilegal no principado, volta para reaver seus cavalos, mas descobre que eles foram maltratados, tal como o seu cuidador, violentamente atacado por guardas do barão e seus cães.

O caso segue para a corte que, graças à influência do aristocrata, rejeita o pedido de indenização. Para piorar, sua esposa Judith (Delphine Chuillot) é assassinada ao tentar interceder por ele junto à princesa (Roxane Duran), autoridade máxima da região.

O agora viúvo Kohlhaas embarca em uma empreitada por justiça. De espada na mão, acaba se tornando o líder dos injustiçados dessa comunidade, que se voluntaria para combater ao seu lado. Com rígidos princípios éticos, provenientes de leituras de livros protestantes, começa uma perseguição ao barão, criando um desequilíbrio de poder.

A produção do diretor e roteirista francês Arnaud des Pallières traz diferenças gritantes em relação ao livro, que começam pela ambientação, transposta da Alemanha para a França (na região de Cevenas), e, em efeito dominó, configuram uma nova narrativa.

Há outros desvios, em especial em relação à metáfora política. Von Kleist olhava para a sanha de Napoleão ao escrever, ao mesmo tempo em que mostrava os ideais conflitantes entre o catolicismo e protestantismo na boca de seus personagens.

O diretor alemão Volker Schlöndorff, que baseado no mesmo livro realizou, em 1969, "O Tirano da Aldeia", não se furtou em realçar os acontecimentos de 1968 em seu filme, criando, junto à história, um mosaico de imagens do período. Condizente, até certo ponto, com a perspectiva dada pelo autor do original ao discutir o "hoje" em relação à obra.

Pallières evita qualquer nuance política, além das vantagens aristocráticas frente aos reles vassalos. Mas assina uma produção em que a fotografia (iluminada naturalmente com a beleza de Cevenas) e o excepcional trabalho do ator dinamarquês garantem o fôlego.

*As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
Topo