Filmes e séries

Infanto-juvenil "O Segredo dos Diamantes" é cinema de aventura à moda antiga

Alysson Oliveira

Do Cineweb, em São Paulo

17/12/2014 17h06

A produção brasileira "O Segredo dos Diamantes", que estreia nesta quinta (18), é uma aventura que lembra muito a série de literatura infanto-juvenil Vaga-Lume, lançada nos anos de 1970, e que faz sucesso até hoje, tendo como clássicos "O Mistério do Cinco Estrelas", "Éramos Seis" e "Spharion". Com roteiro e L. G. Bayão e Dani Patarra, sob a direção de Helvécio Ratton ("Batismo de Sangue"), o filme deve encontrar seu público em pré-adolescentes e adultos nostálgicos.

No mais recente Festival de Gramado, em agosto, "O Segredo dos Diamantes" venceu o prêmio de melhor filme para o público.

Apesar de situada no nosso tempo, e com alguma bugiganga eletrônica aqui e ali, o longa poderia ambientar-se num tempo passado, numa época de mais inocência, na qual era mais fácil de acreditar num tesouro perdido.

Angelo (Matheus Abreu) está viajando com os pais (Dira Paes e Nivaldo Pedrosa), para a casa da avó no interior de Minas, quando acontece um acidente na estrada. O pai fica em estado grave e precisa se transferido para a capital, onde contará com mais cuidados. Acontece que a família não tem dinheiro para isso.

Quando chega à casa da avó (Manoelita Lustosa), o garoto se lembra de uma lenda que o pai lhe contou envolvendo diamantes perdidos, cujo valor poderia salvar a vida dele. O ponto de partida é um caderno que este mantinha com o irmão, o Tio Daniel (Rodolfo Vaz), na qual fizeram anotações de uma investigação prévia quando ainda eram crianças.

Com a ajuda de sua amiga Julia (Rachel Pimentel), Angelo começa a procurar o tesouro. Antes encontra o coroinha Carlinhos (Alberto Gouvea), que conhece muito bem a cidade e ajudará na busca pelas pedras.

Como manda o gênero, há também um vilão, Silvério, interpretado por Rui Rezende, que muita gente irá lembrar como o professor que virava lobisomem na novela "Roque Santeiro", de meados dos anos de 1980. Ele é o dono de um antiquário, que descobre os planos do trio e resolve tentar sua própria investigação para encontrar os diamantes antes deles.

Ratton tem bastante experiência com cinema infanto-juvenil os seus "A Dança dos Bonecos" (1986) e "Menino Maluquinho" (1995) são clássicos do gênero na cinematografia nacional e se mostra bastante confortável na direção. Mostra-se capaz de criar uma espécie de "cinema ao modo antigo", mas sem o cheiro de mofo, com algum frescor: uma aventura de sessão da tarde.

*As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Estadão Conteúdo
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
UOL Cinema - Imagens
redetv
redetv
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
Reuters
Reuters
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
redetv
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
Cinebiografia a caminho
Reuters
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
Roberto Sadovski
redetv
redetv
do UOL
EFE
EFE
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
EFE
EFE
Colunas - Flavio Ricco
Topo