Filmes e séries

Humorístico "Os Caras de Pau" vai para o cinema sem fôlego para um longa

Alysson Oliveira

Do Cineweb, em São Paulo*

23/12/2014 14h40

A comédia nacional "Os Caras de Pau - Em o Misterioso Roubo do Anel", que estreia nesta quinta (25), começa de forma pomposa, com imagens em preto-e-branco, numa cena que faz lembrar o primeiro "Sin City". Logo a dupla de seguranças Pedrão (Marcius Melhem) e Jorginho (Leandro Hassum) invade a cena, mostrando que se trata de uma comédia espalhafatosa --mas qualquer ambição fica por aí mesmo.

Dirigido por Felipe Joffily ("Muita Calma Nessa Hora"), o filme não vai além do humor raso, costurando esquetes em torno de um fiapo de trama.

Essa envolve uma milionária, Gracinha de Medeiros (Christine Fernandes), e seu anel valioso, que é roubado quando está exposto. A dupla deveria fazer a segurança, mas pouco depois de eles assumirem o trabalho, são atacados por uma gangue de ninjas --mas o anel não é roubado. Na verdade, Jorginho o engole acidentalmente, e ninguém percebe. Portanto, os protagonistas são acusados pelo roubo.

Gracinha, no entanto, não acredita que seus seguranças sejam culpados e os ajuda a fugir da polícia. Além dos ninjas, a dupla também é perseguida por uma gangue de mafiosos portugueses --desculpa para algumas piadas surradas e sem graça envolvendo bacalhau e outros clichês ligados àquele país.

Com roteiro assinado por Celso Taddei, Chico Soares, Mauro Wilson e o próprio Melhem, a adaptação cinematográfica do programa de televisão tem fôlego curto, desperdiçando referências a filmes como "A Pantera Cor-de-Rosa" e aos desenhos animados do Scooby Doo. As piadas são repetidas à exaustão, mesmo que seu escasso potencial cômico tenha ficado evidente logo na primeira vez.

Melhem, que já provou ser mais engraçado no programa "Tá no Ar: A TV na TV", parece se repetir num personagem que já não tinha mesmo novidade a oferecer --o programa foi exibido entre 2006 e 2007 e, depois, entre 2009 e 2012. Já Hassum, no quarto filme lançado neste ano (os outros são: "Até que a Sorte nos Separe 2", "Vestido pra Casar" e "O Candidato Honesto") prova desconhecer a existência da palavra superexposição.

Elenco fala sobre "Os Caras de Pau"

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Topo