Filmes e séries

Na Ásia, "A Entrevista" é assistido ilegalmente online e recebe críticas

26/12/2014 11h04

Milhares de pessoas assistiram cópias ilegais do filme "A Entrevista" na China e na Coreia do Sul, horas depois que o controverso filme sobre o assassinato fictício do líder norte-coreano Kim Jong Un foi lançado nos Estados Unidos.

A maioria dos espectadores disseram que assistiram ao longa por causa do devastador ataque eletrônico contra a Sony Pictures, estúdio que o produziu, mas que não ficaram impressionados. Mesmo na Coreia do Sul, tecnicamente em guerra com o Norte, espectadores criticaram severamente o filme.

"Muito disso não é realista e as pessoas nos papéis de norte-coreanos são muito ruins falando coreano", disse um espectador no Naver, um portal online local. "Na cena em que Kim Jong Un fica nervoso ... não consegui entender direito o que ele estava dizendo".

Um blogueiro no Naver disse: "Não há drama nem muita diversão. É uma comédia forçada que desanima. Eles não podiam ter feito um trabalho melhor?"

O que é o #SonyLeaks?

  • Imagem: Divulgação
    Divulgação
    Imagem: Divulgação

    Ataque hacker à Sony revela intrigas de Hollywood

    Vítima de um ataque digital sem precedentes na história de Hollywood, os estúdios Sony vêm passando por uma série de constrangimentos com a divulgação de informações confidenciais sobre atores, diretores e vários de seus funcionários. Saiba o que já saiu na imprensa.

Polêmica atraiu espectadores
Os Estados Unidos culparam a Coreia do Norte pelo ataque eletrônico, mas Pyongyang disse que não é responsável. Na China, uma cópia do filme com legendas em chinês foi visto ao menos 300 mil vezes apenas em uma plataforma de compartilhamento de vídeos. "Não importa se o filme é bom, ele se tornou algo que todos têm que ver", disse um usuário no microblog chinês Weibo.

O longa, que foi inicialmente cancelado após o ataque eletrônico contra a Sony, estreou em mais de 300 cinemas nos EUA no Natal, atraindo muitas sessões lotadas. Ainda não há planos para um lançamento oficial em cinemas na Ásia.

Executivos internacionais da Sony disseram anteriormente que o filme era "desesperadamente sem graça" e que fracassaria no exterior, segundo emails vazados pelos hackers.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
Chico Barney
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Topo