Filmes e séries

Drama "Depois da Chuva" retrata Diretas Já sob olhar de jovem

Alysson Oliveira

Do Cineweb, em São Paulo

14/01/2015 17h06

Em meados dos anos 1980 o Brasil vivia um momento intenso de transição política com as manifestações pela volta das eleições diretas. Na mesma época, o grupo porto-riquenho Menudos fazia sucesso no país e o Genius era um dos brinquedos mais desejados pelas crianças.

É aí que o jovem Caio (Pedro Maia, ganhador do prêmio de melhor ator no Festival de Brasília de 2013) começa a descobrir o mundo, ao se envolver com um grupo de rebeldes. "Depois da Chuva", que estreia nesta quinta (15), acompanha essa transformação, mas é também um filme sobre as ilusões perdidas, sobre a construção e a fugacidade das utopias.

Escrito por Cláudio Marques e codirigido por ele e Marília Hughes, "Depois da Chuva" é um filme de nostalgia, mas sem o pó do tempo que é capaz de vir junto quando se faz algo do gênero.

As dúvidas e inquietações até mesmo os equívocos de Caio ecoam até hoje na juventude que toma as ruas. Por isso, é um filme que pulsa com o sangue juvenil da revolução mesmo que essa, seja abortada antes mesmo de começar.

Os diretores partem do universo pessoal de Caio para fazer um paralelo com o momento histórico do Brasil da época do filme. Calado e introspectivo, Caio é um jovem de ideias fortes, que se envolve com um grupo anarquista, responsável por uma rádio pirata chamada O Inimigo do Rei.

Logo na primeira cena, sabe-se que foram liberadas eleições para representante estudantil na escola onde ele estuda, mas é a diretoria que irá escolher um nome entre os três mais votados. Surge, então um impasse entre o grupo: aceitar e garantir o pouco que conseguiram ou lutar por mais, e correr o risco de perder tudo.

O longa aborda um período rico de nossa história e pouco explorado pelo cinema: as Diretas Já. Ao mesmo tempo, de forma sutil, explora o tema da construção do herói pela mídia, quando Tancredo Neves, eleito de forma indireta, adoeceu pouco antes de sua posse.

A imprensa especialmente a televisão o transformou no mártir que o momento pedia. É por meio de reportagens da época que vemos, com os olhos de Caio, esse processo, que, como se sabe, iria culminar no governo de José Sarney e na frustração de várias expectativas.

Experientes curta-metragistas, Marília e Marques estreiam com segurança em longa-metragem, criando um filme reflexivo sobre como o processo político está inserido na vida pessoal, mesmo a contragosto ou quando sequer nos damos conta disso.

No Festival de Brasília de 2013, o filme ganhou prêmios de roteiro e trilha sonora, além do ator Pedro Maia, que se tornou o mais jovem vencedor do troféu no evento.

*As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
EFE
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
AFP
Cinema
do UOL
do UOL
Cinema
BBC
do UOL
EFE
Cinema
do UOL
do UOL
AFP
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo