Filmes e séries

"A Entrevista", da Sony, ultrapassa US$40 milhões em vendas digitais

20/01/2015 19h10

LOS ANGELES (Reuters) - "A Entrevista", comédia da Sony Pictures que pode ter provocado um ataque cibernético contra a empresa, arrecadou mais de 40 milhões de dólares com 5,8 milhões de downloads, afirmou o estúdio nesta terça-feira.

O chefe-executivo do braço de entretenimento da Sony Corp, Michael Lynton, classificou os 40 milhões de dólares como um "marco significativo" para o lançamento sem precedentes em televisão paga e on-line por meio de plataformas como Google Play, do Google, iTunes, da Apple, e Time Warner Cable.

O lançamento digital do filme em 24 de dezembro foi improvisado uma semana após a Sony Pictures desistir de um amplo lançamento nas telonas, quando grandes redes de cinema se recusaram a exibir o longa por causa de ameaças difusas de violência feitas por hackers.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse que a decisão de recuar do lançamento nos cinemas foi um "erro" similar à censura.

O filme estrelado por Seth Rogen e James Franco, sobre o assassinato fictício do líder da Coreia do Norte, Kim Jong Un, também rendeu 6 milhões de dólares em bilheteria depois que cinemas independentes pressionaram por um lançamento restrito no dia de Natal.

Não está certo se o estúdio Sony Pictures vai conseguir recuperar seu investimento na comédia, que custou 44 milhões de dólares para ser filmada e outras dezenas de milhões para ações de marketing.

O governo dos EUA culpou a Coreia do Norte pelo ataque cibernético mais devastador contra uma companhia privada já perpetrado em território norte-americano. O governo norte-coreano disse que "A Entrevista" era o mesmo que "um ato de guerra", mas negou estar por trás da invasão aos computadores da empresa.

(Reportagem de Mary Milliken)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
Chico Barney
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Topo