Filmes e séries

Nicole Kidman vive mulher com amnésia em "Antes de Dormir"

Nayara Reynaud

Do Cineweb

21/01/2015 16h25

Às vezes, Hollywood conta com a falta de memória do público, repetindo temas que já tiveram êxito em outros filmes para tentar garantir o sucesso de uma nova produção.

Certamente, ao assistir "Antes de Dormir" (2014), longa produzido por Ridley Scott e estrelado por Nicole Kidman e Colin Firth, o espectador, diferente da protagonista desmemoriada, terá certo déjà vu, pois o problema da personagem é recorrente na sétima arte. O filme estreia nesta quinta (22).

A amnésia anterógrada, também conhecida como perda de memória recente, na qual o indivíduo não consegue reter novas lembranças após o despertar de uma doença neurológica ou determinado trauma físico ou psicológico, já inspirou vários filmes.

Entre eles, uma animação —"Procurando Nemo" (2003) com a inesquecível Dory—, comédias românticas —a famosa "Como Se Fosse a Primeira Vez" (2004) e o romance para TV "Como Não Esquecer Essa Garota" (2013)— e thrillers —o cult "Amnésia" (2000), que apresentou Christopher Nolan para o grande público, e o mais recente "O Vigia" (2007).

Por isso, as recordações desses outros longas poderão vir à mente de quem estiver na plateia deste suspense.

A adaptação de Rowan Joffe do romance de estreia de S. J. Watson apresenta, em sua primeira cena, Christine Lucas (Kidman) acordando atordoada.

Logo, o então estranho dormindo ao seu lado na cama se apresenta como Ben (Firth), seu marido há 14 anos. E, apesar do visível cansaço de sempre ter que explicar à esposa que um acidente causou nela uma amnésia que faz sua mente voltar, todos os dias ao acordar, aos seus vinte anos —quando ainda era solteira—, ele demonstra ser muito amoroso com a mulher.

Porém, quando ele sai de casa para trabalhar, telefona um homem que se identifica como Dr. Nasch (Mark Strong), um terapeuta que ela havia consultado uma vez às escondidas. O médico a avisa da existência de uma câmera digital, guardada em uma gaveta, com a qual ela grava vídeos diários —no best-seller, era um diário, de fato, que conduzia a segunda parte da narrativa— sobre sua condição e suas dúvidas.

É então que o público descobre, junto com a personagem, que ela já estava desconfiando do marido e, assim, acompanha sua caçada atrás da verdade.

Embora não tão eficiente quanto o recente "Garota Exemplar" (2014), o filme também faz uma alegoria da tensão de um casamento em forma de suspense, especialmente, no que diz respeito à confiança entre os cônjuges.

Só que neste caso, além do cenário inglês, é uma mulher dividida entre as figuras de dois homens nos quais ela não consegue, ou pode, confiar. Neste sentido, a escalação dos atores foi muito propícia para plantar a dúvida no público e tornar a virada mais interessante.

Colin Firth carrega a imagem de bom moço, tão conhecida em outros filmes, para um personagem misterioso, enquanto Mark Strong, depois de tantos vilões, aparece como um tipo que diz só querer o bem de sua paciente.

Já Nicole Kidman, que repete a parceria com Firth realizada no drama "Uma Longa Viagem" —que se repetirá na cinebiografia ainda em filmagem, "Genius" (2015) —mesmo mimetizando um pouco do seu trabalho em suspenses como "Os Outros" (2001), não merecia a injusta pré-indicação ao Framboesa de Ouro deste ano.

Isso porque o filme se sustenta, em grande parte, pelo seu pequeno e competente elenco. Joffe, que em 2010 teve sua estreia na direção do remake melodramático do noir britânico "Brighton Rock" (1947), até consegue prender a atenção do público, mas encerra sua obra com um final sentimental que difere do resto do longa e parece ter sido colocado apenas para servir de redenção a esta mulher.

ASSISTA AO TRAILER LEGENDADO DE "ANTES DE DORMIR"

*As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
Chico Barney
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Topo