Filmes e séries

Rocambolesco, "Busca Implacável 3" fica muito aquém da série

Rodrigo Zavala

Do Cineweb

21/01/2015 16h00

Um dos principais desafios das sequências cinematográficas é, sem dúvida, ampliar a qualidade narrativa das produções. Criatividade para sair da mesmice, engenhosidade na construção de cenas mais afiadas e coragem para refazer o que não deu certo.

Iniciada em 2008, a franquia do diretor francês Luc Besson, "Busca Implacável", começou fervorosa. Trazia o celebrado irlandês Liam Neeson (que se renovou como ator do gênero) como o ex-agente secreto Bryan Mills em busca de sua filha sequestrada por mafiosos em Paris. Destruiu metade da Cidade-Luz para reaver a garota, para voltar a salvá-la em 2012 (na sequência), em Istambul, que também mandou pelos ares antes de vencer os criminosos.

No entanto, já era possível notar uma perda qualitativa entre a primeira e segunda produção. Mais do que na direção (que passou a Olivier Megaton, de "Carga Explosiva 3"), perdia-se em inventividade: as cenas de ação não superavam as do primeiro, sendo até menos impactantes.

Neste terceiro filme, que estreia nesta quinta (22), a situação não mudou. Produzido e roteirizado por Besson, e novamente dirigido por Megaton, parece parado no tempo. Falta aqui um trabalho técnico mais apurado, que crie as situações de tensão, tão presentes no início da franquia, e que rivalize com produções mais atuais como a "Bourne? (que tem a volta anunciada), "Duro de Matar" (que chegou ao quinto capítulo), ou mesmo o surpreendente "De Volta ao Jogo" (com Keanu Reeves).

Na trama, depois dos acontecimentos em Paris e Istambul, Mills está em paz. Quer voltar para sua ex-mulher Lenore (Famke Janssen) e sua filha Kim (Maggie Grace) está grávida. No entanto, quando Lenore é assassinada em seu apartamento, e todas as pistas apontam para ele, precisará provar sua inocência e, mais uma vez, salvar a filha.

Como não sabe se a tragédia tem a ver com os criminosos que matou no passado, Mills resolve investigar a morte, apesar dos esforços da polícia, liderada pelo detetive Franck (Forest Whitaker). E o rastro leva para um mafioso, Oleg (Sam Spruell), aparentemente, um sócio de Stuart (Dougray Scott), agora viúvo de Lenore.

Com um desenvolvimento rocambolesco, o resultado é muito aquém, não apenas do potencial da franquia, mas da ficha corrida da equipe e elenco. Em entrevista, Liam Neeson disse que poderia atuar em um quarto filme (embora este não tenha sido anunciado), que não deixaria de ser uma oportunidade para Besson e Megaton renovarem os rumos da franquia.

*As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
Chico Barney
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Topo