Filmes e séries

Cineastas transcendem fronteiras com a realidade virtual no Festival de Sundance

Piya Sinha-Roy

De park City (Utah)

23/01/2015 11h20Atualizada em 23/01/2015 12h02

Seja colocando os espectadores na tenda de uma tribo mongol, no estúdio com um músico ou na rota de um trem, os cineastas estão eliminando as fronteiras da realidade para os fãs da sétima arte no Festival de Cinema de Sundance deste ano.

O reduto de filmes independentes na cidade de Park City, no Estado norte-americano de Utah, está dedicando sua mostra Nova Fronteira a produções que empregam a realidade virtual. São 11 trabalhos, o maior número de participantes dessa categoria nas três décadas de história do festival.

Os filmes são vistos com um equipamento audiovisual que lembra um capacete e projeta um panorama de 360 graus, dando aos espectadores a sensação de serem parte da ação.

Mas os filmes que usam a realidade virtual estão muito longe de se tornar a norma, já que os equipamentos que os projetam ainda não chegaram ao mercado de massa.

No mês passado a Samsung começou a comercializar seu modelo Galaxy Gear VR, que utiliza seu smartphone Galaxy Note 4 para exibir os conteúdos de realidade virtual. A Google oferece o dispositivo Cardboard VR para ser usado com smartphones.

A versão para o consumidor dos dispositivos pioneiros Rift, da Oculus VR, propriedade do Facebook, ainda está sendo desenvolvida.

A exibição Nova Fronteira chega em um momento de interesse crescente nessa tecnologia em Hollywood, já que cineastas e estúdios estão fazendo experimentos com a realidade virtual.

"O cinema não era nosso foco no começo, mas agora está se tornando um foco maior, então precisamos nos envolver e apoiar imediatamente", afirmou Brendan Iribe, executivo-chefe da Oculus.

O atrativo da realidade virtual para os cineastas está na simulação da presença física dos espectadores, que até hoje só interagiram com o conteúdo como observadores que assistem uma história se desenrolar na tela.

Em "Herders", um curta-metragem do duo de cineastas Felix & Paul, o espectador é colocado dentro de um yurt, a tenda típica de uma família mongol, e em "Strangers: A Moment with Patrick Wilson", o espectador se senta ao lado de um músico trabalhando em um estúdio.

Os filmes de não-ficção estão se mostrando uma grande aposta para a realidade virtual, declarou Felix Lajeunesse, já que os cineastas podem mergulhar as plateias na ação e fazê-las se identificar com a história.

"A realidade se torna imensamente interessante na realidade virtual. Você não precisa necessariamente mudá-la ou reencená-la ou transformá-la tanto", disse Lajeunesse.

O cineasta Chris Milk se juntou ao canal Vice News para documentar a Marcha dos Milhões em Nova York em dezembro com a realidade virtual, usando uma câmera de 360 graus para filmar no meio dos manifestantes que marchavam por Manhattan para protestar contra a brutalidade policial.

"Como plateia, você entende imediatamente o que está acontecendo, você tem a perspectiva da câmera", explicou Milk.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

EFE
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Cinema
AFP
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
EFE
BBC
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
UOL Jogos
AFP
AFP
AFP
DW
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
Cinema
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Topo