Filmes e séries

Filme de sobrevivência feminina no Ártico dá pontapé inicial do Festival de Berlim

Michael Roddy

De Berlim, na Alemanha

05/02/2015 19h28

Um filme sobre a sobrevivência no Ártico de duas mulheres - a esposa do explorador do polo norte Robert Peary e uma jovem inuíte - que lutam por suas vidas em uma cabana enterrada na neve abriu o 65º Festival Internacional de Cinema de Berlim nesta quinta-feira (5).

"Meu primeiro urso", diz triunfante a matrona da alta sociedade Josephine Peary, interpretada pela atriz francesa Juliette Binoche, logo nos primeiros momentos de "Nobody Wants the Night", longa da diretora espanhola Isabel Coixet, ao abater um urso polar com apenas um tiro.

A situação degringola rapidamente à medida que a rica e teimosa Peary força os inuítes e alguns exploradores veteranos do Ártico, um deles interpretado pelo ator irlandês Gabriel Byrne, a irem em uma malograda incursão em busca de seu marido, a quem ela raramente vê em sua casa.

A jornada de autodescoberta da senhora Peary no frio e gelo, em um filme que afirma ser "inspirado em personagens reais", inclui a descoberta de que a inuíte Alaka, interpretada pela atriz japonesa Rinko Kikuchi, manteve relações sexuais com seu marido.

Apesar disso, as duas se conectam, em uma camaradagem feminina, enquanto lutam para sobreviver sem calefação, com apenas um cão e tendo carne de foca como alimento.

A diretora espanhola Isabel Coixet rechaçou as insinuações de que a relevância de seu filme estaria no fato de ter sido somente a segunda obra dirigida por uma mulher até hoje a abrir o prestigioso festival de cinema de Berlim.

"Falamos sobre gênero... o jeito que falamos sobre isso fica dando voltas", disse a diretora catalã durante uma coletiva de imprensa. "Eu quero mais dinheiro para as mulheres, não quero salários iguais, quero maiores".

Outros destaques e polêmicas da Berlinale 2015

  • Imagem: Reprodução
    Reprodução
    Imagem: Reprodução

    Cinquenta Tons de Cinza

    Com o papel de apimentar a programação, função que no ano passado foi do longa "Ninfomaníaca - Parte 1", a adaptação da trilogia de E.L. James é maior lançamento do festival. Fora da competição, já é chamado de "o filme do ano" pelas projeções de bilheteria. Cerca de 700 mil ingressos foram vendidos para esquentar a pré-estreia invernal no Dia dos Namorados.

  • Imagem: Divulgação
    Divulgação
    Imagem: Divulgação

    Quatro vezes James Franco

    O ator criou polêmica mesmo antes de chegar em Berlim. A comédia "A Entrevista" levou o governo da Coreia do Norte a fazer ameaças à organização, sem saber que o filme não estava na programação. Em Berlim, Franco atua nas produções alemãs "Everything Will Be Fine", de Wim Wenders, e "Queen of The Desert", de Werner Herzog. Na mostra Panorama, apresenta "I Am Michael" (foto), com Zachary Quinto.

  • Imagem: Divulgação
    Divulgação
    Imagem: Divulgação

    Relatos sobre abuso infantil

    Seguindo a ideia do cinema como mídia política, o festival selecionou diferentes histórias de abuso infantil. Em "Mina Walking", uma adolescente afegã perde a mãe e precisa lidar com o pai junkie e o avô doente. "Corbo", de Mathieu Denis, acompanha a transição de um jovem canadense em terrorista. No chileno "La Casa Más Grande Del Mundo", a pequena Glória assume uma fazenda quando a mãe engravida.

  • Imagem: Divulgação
    Divulgação
    Imagem: Divulgação

    Hollywood é aqui

    Parte das sessões especiais, o ator americano Robert Pattinson estreia "Life", filme que retrata a relação do vaidoso fotógrafo Dennis Stock com o astro James Dean. Na competição, Pattinson também atua em "Queen of the Desert", ao lado de Nicole Kidman e James Franco.

  • Imagem: Reprodução
    Reprodução
    Imagem: Reprodução

    Cobain: "Montage of Heck"

    O documentário sobre os anos de Kurt Cobain antes da fama é um dos destaques do gênero. Já "What Happened, Miss Simone?" traça um perfil da soul woman americana Nina Simone e "B-Movie: Lust & Sound in West Berlin" faz um retrato da cena musical no antigo lado ocidental de Berlim. "Love & Mercy", cinebiografia de Brian Wilson, trará o integrante dos Beach Boys e o diretor Bill Pohlad para o evento.

  • Imagem: Divulgação
    Divulgação
    Imagem: Divulgação

    Homenagem a Wim Wenders

    O cineasta berlinense ganhará o Urso de Ouro Honorário por seu trabalho nas telonas. Como parte da celebração, o festival exibirá seu primeiro longa ,"The American Friend", de 1977, e a estreia de seu último trabalho "Everything Will Be Fine" (foto).

  • Imagem: Andrew Medichini/AP Photo
    Andrew Medichini/AP Photo
    Imagem: Andrew Medichini/AP Photo

    Na estrada com Walter Salles

    A programação da Berlinale Talents, espaço dedicado ao fomento de novos cineastas, contará, no domingo (8), com uma aula de Walter Salles sobre filmes "na estrada", tema que o diretor já abordou em "Diários de Motocicleta" e na adaptação do clássico de Jack Kerouac. Davi Pretto, que em 2014 participou com o documentário "Castanha", é um dos 13 talentos brasileiros também presentes.

  • Imagem: Divulgação
    Divulgação
    Imagem: Divulgação

    Sherlock Holmes de bengala

    Ian McKellen promete mostrar outro lado da história do investigador ícone da cultura pop britânica. Em "Mr. Holmes", McKellen interpreta o investigador em idade avançada, aos 93 anos, com problemas de alcoolismo e revisitando um caso antigo que envolvia uma bela mulher.

  • Imagem: Takumã Kuikuro/Divulgação
    Takumã Kuikuro/Divulgação
    Imagem: Takumã Kuikuro/Divulgação

    Destaque para produção indígena

    Fora do circuito mainstream, a recém-criada seção NATIVe - Uma Jornada pelo Cinema Indígena tem programação dedicada a tribos latino-americanas. Entre os brasileiros, estão os documentários "As Hiper Mulheres", de Carlos Fausto e Takumã Kuikuro, "O Mestre e o Divino", de Tiago Campos Tôrres, "Obrigado Irmão", de Divino Tserewahú, e "Já Me Transformei em Imagem", de Zezinho Yube.

  • Imagem: Divulgação
    Divulgação
    Imagem: Divulgação

    Sequência de "Ato de Matar"

    Documentário de Joshua Oppenheimer indicado ao Oscar e vencedor de um BAFTA, "Ato de Matar" ganha sequência dedicada às vítimas dos ditadores comunistas relatados no primeiro filme.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
Chico Barney
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
Topo