Filmes e séries

Comediante Bill Murray compensa a previsibilidade de "Um Santo Vizinho"

Alysson Oliveira

Do Cineweb, em São Paulo*

18/02/2015 15h18

Na comédia "Um Santo Vizinho", Bill Murray parece fazer pela milionésima vez o mesmo personagem: sujeito de meia-idade, rabugento, mas descolado, pouco se importando com o mundo --tudo isso para esconder uma tremenda solidão. Ainda assim, é difícil resistir a ele --ao filme, nem tanto, que pode ser visto como uma versão cômica de "Grand Torino", drama de e com Clint Eastwood, no qual ele interpretava um sujeito reacionário que acaba simpatizando com vizinhos imigrantes.

Vincent, interpretado por Murray, é mais ou menos isso aqui. Solitário, mas sem dar o braço a torcer, sua companhia mais constante é uma russa a quem se refere como uma "dama da noite", chamada Daka, e interpretada com empenho por Naomi Watts. Seguindo a cartilha da previsibilidade, o diretor e roteirista Theodore Melfi introduz um elemento externo para abalar o mundo do protagonista.

Maggie (Melissa McCarthy, distante do registro cômico que fez sua fama) muda-se para a casa ao lado com o filho pequeno, Oliver (Jaeden Lieberher). Mãe divorciada, começando num novo trabalho, ela não pode recusar quando pedem para ficar até mais tarde no hospital onde trabalha. Sobra para Vincent cuidar do menino ? primeiro por acaso, depois por dinheiro, pois cobra mais barato do que uma babá.

Segue o que se espera: Oliver é o menino em busca de um pai (já que não tem contato com o verdadeiro, que traiu a mãe), ele é frágil (apanha na escola) e passivo (aceita as agressões calado). Vincent é o que faltava na vida do garoto, que também é o laço de afeto ausente na vida do protagonista. O círculo se fecha, todos aprendem grandes lições para a vida e são felizes e amigos para sempre. Antes disso, Melfi faz um desvio a um hospital para inserir um pouco de drama, que logo se transforma em comédia novamente.

Apesar de toda a previsibilidade, assiste-se "Um Santo Vizinho" com um certo prazer. Não apenas por causa da Murray. Melissa mostra que também é capaz de fazer muito bem um papel dramático, bem distante de qualquer exagero. O jovem Lieberher também contracena de igual para igual com Murray --prova de que Melfi é um bom diretor de atores. Falta a ele lidar melhor com a construção das cenas, que, em alguns momentos, parecem mais forçadas do que orgânicas.

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
Topo