Filmes e séries

Com narrativa quadrada, comédia "Superpai" se destaca pelos improvisos

Rodrigo Zavala

Do Cineweb, em São Paulo

25/02/2015 15h18

Na comédia politicamente incorreta há um limite entre a máquina de insultos e o desejo real de fazer outras pessoas rirem, que não apenas o próprio comediante. No caso de "Superpai", do diretor Pedro Amorim (de "Mato Sem Cachorro"), o humor fica sempre no limite, sem chegar a qualquer um dos extremos, exceto pelos improvisos do elenco. O filme estreia nesta quinta (26).

Explica-se. Segundo Amorim, o roteiro original (e inédito) americano, comprado pelo estúdio Universal, era de um peso tremendo. Tão incorreto que levou o texto a ser reescrito por seis pessoas, entre elas o comediante Rafinha Bastos e o próprio diretor. A versão brasileira é suave, sem tantos excessos, como o Amorim a encarou pela primeira vez, num tom mais família.

O resultado é, enfim, algo muito morno, que se não fosse o ritmo dos atores para humor, provavelmente, não sairia do mediano. São eles Danton Mello, Dani Calabresa, Antonio Tabet e Thogun Teixeira, que levam a história muito além do que estava previsto no roteiro.

Mello é Jorge, um pai desempregado, negligente com o filho Luca (Lukas Brombini). Em sua normalidade sem alegrias, vê no reencontro da turma de escola (depois de 20 anos) a oportunidade de reviver os melhores anos de sua vida, incluindo aí ir para a cama com Patricia Ellen (Juliana Didone), seu amor de colégio. A questão é onde deixar o filho, já que a mãe (Mônica Iozzi) foi ao hospital cuidar de parentes.

O fato é que Jorge larga o garoto em uma creche noturna, para aproveitar a confraternização e, quando vai buscá-lo, se engana e leva uma criança coreana, o "Jaspion" (Erik Min Soo Chung) no lugar. Quando percebe o erro, bem mais tarde, precisa encontrar seu filho e devolver o outro menino a seus pais. Tudo isso, enquanto olha para sua amante.

Durante a desventura, ele encontra o apoio de seus amigos de escola, Julia, Nando e Cezar (Calabresa, Teixeira e Tabet, respectivamente). Cada um tem uma característica específica, complementando o protagonista. Todas, aliás, envolvendo sexo, torpeza e abnegação à saúde do grupo.

Mas é essa química que funciona no filme de Amorim, com o improviso desse elenco, admitido pelos próprios atores, em entrevista coletiva em São Paulo. Não há grandes questões ou opções técnicas para discutir aqui, apenas se o filme faz rir. E o time o faz, mesmo que a narrativa não seja redonda.

Assista ao trailer de "Superpai"

*As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
EFE
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
Topo