Filmes e séries

Festival de Cinema de Tribeca destaca filmes sobre o 'dia a dia'

LUCAS JACKSON
A 14ª edição do festival acontece entre os dias 15 e 26 de abril, em Nova York Imagem: LUCAS JACKSON

Patricia Reaney

De Nova York

04/03/2015 11h18

Filmes de 31 países, muitos dos quais sobre as lutas cotidianas e com estrelas como Richard Gere, James Franco e Dakota Fanning, serão exibidos no 14º Festival de Cinema de Tribeca. Mais de 6.200 produções, da Costa Rica à Islândia e da Albânia à África do Sul, foram inscritos no festival, que acontece entre 15 e 26 de abril.

Metade dos 97 longa-metragens, incluindo os selecionados às categorias de narrativa global e documentário e para a mostra "Pontos de Vista", foram anunciados pelos organizadores na terça-feira.

"Realmente nos inspirou e causou admiração a ambição e o risco corrido pelos cineastas que lutam para captar a emoção e as complexidades do dia a dia nas inscrições deste ano", disse Frédéric Boyer, diretor artístico do evento, em um comunicado.

Em "Franny", do diretor e roteirista Andrew Renzi, Gere é um rico ecêntrico que se envolve nas vidas da filha de um amigo morto, intepretada por Dakota, e seu marido.

Franco é um romancista sofrendo bloqueio criativo no suspense policial "The Adderall Diaries", que também conta com Amber Heard e Cynthia Nixon e se baseou nas bem-sucedidas memórias de mesmo título de Stephen Elliott.

"Meadowland", com Olivia Wilde e Luke Wilson, acompanha as tensões no relacionamento de um casal cujo filho desaparece.

O festival deste ano irá começar com a estreia mundial de "Live from New York!", que trata do humorístico "Saturday Night Live", da rede de televisão norte americana NBC.

Entre os candidatos na competição de documentário estão "Havana Motor Club", sobre os preparativos de pilotos de carro dragster para uma corrida em Cuba, e "In Transit", que percorre a mais longa e movimentada ferrovia dos Estados Unidos, entre Chicago e Seattle.

"Autism in Love" conta a história de adultos que possuem o distúrbio, e "Thank You for Playing" detalha os esforços de um casal para criar um videogame sobre a luta de seu filho contra o câncer.

O Festival de Cinema de Tribeca foi fundado em 2001 pelo ator Robert De Niro, pela produtora cinematográfica Jane Rosenthal e pelo investidor Craig Hatkoff para revitalizar a vizinhança do centro de Nova York após os atentados de 11 de setembro daquele ano contra as Torres Gêmeas.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo