Filmes e séries

Sean Penn diz não querer ver a indústria do cinema tragada por super-heróis

AP
O ator Sean Penn apresentou o vencedor de melhor filme no Oscar de 2015 Imagem: AP

Piya Sinha-Roy De Los Angeles, EUA

Há mais em Sean Penn do que uma voz rouca e um olhar intenso. Ele também pode soltar uma boa gargalhada ao se imaginar como um super-herói.

No elenco do suspense "O Franco-Atirador", que estreia nos cinemas dos Estados Unidos em 20 de março, o ator e ativista de 54 anos conversou com a Reuters sobre o que o motiva tanto no cinema como nas causas que abraça.

P: O que o atraiu para essa história e o personagem de Jim?

R: A história me cativou de um jeito que muitos filmes de ação não tinham me cativado, porque as consequências da violência estavam sempre presentes, e ainda assim isso não pareceu exercer um peso excessivo sobre a energia do filme.

P: O quão importante foi ter a República Democrática do Congo como cenário?

R: O que foi importante foi que no epicentro daquele ímpeto narrativo havia uma história de uma sofrida intervenção, fosse uma intervenção política ou intervenção corporativa. E, certamente, a RDC observou as duas, e continua a observar.

Também existiram alguns paralelos com a vida real, relacionados aos interesses de mineradoras, o que ocorre ali. Isso fez da história uma escolha apropriada.

P: Ser um ator tem tornado difícil para que sua voz seja ouvida em seu trabalho como ativista?

R: Eu descobri ser mais difícil e mais fácil. As críticas vão surgir mais rapidamente, assim como a reverência. Geralmente, ambas são imprecisas, mas, você sabe, eu acho que abordo o trabalho - seja um trabalho criativo ou não, qualquer trabalho que eu faça - muito como um serviço prestado... é uma questão de análise clínica em ambos os casos.

P: Quais papéis você acha atrativos para o futuro? Alguma franquia de super-herói em seu futuro?

R: Você me pergunta com uma câmera na minha cara e nesse momento da minha vida se eu seria um super-herói? (Risadas) Talvez, se houver algum bastante engraçado.

P: Há sempre um vilão.

R: Não sei o que eu estaria interessado em fazer depois. Há alguns bons filmes feitos sobre esse tipo de coisa (super-heróis), até mesmo alguns sendo feitos por ano. Mas eu gostaria de ver essa indústria não ser tragada por filmes de super-heróis.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

EFE
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
EFE
EFE
Colunas - Flavio Ricco
Blog do Barcinski
Roberto Sadovski
redetv
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Jogos
Reuters
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
AFP
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
Da Redação
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
Roberto Sadovski
Blog do Matias
do UOL
AFP
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Topo