Filmes e séries

Adaptação de Jorge Amado, "O Duelo" traz atuação inédita de José Wilker

Nayara Reynaud

Do Cineweb, em São Paulo

18/03/2015 16h21

O grande chamariz de "O Duelo" (2015), que estreia nesta quinta (19), é o fato de o trabalho mais recente do cineasta Marcos Jorge trazer uma das últimas atuações de José Wilker. O ator, morto em abril de 2014, teve uma extensa e memorável carreira na televisão e no cinema, com mais de 50 filmes.

Além deste, ainda restam os lançamentos de dois longas que contam com a participação dele: "A Hora e a Vez de Augusto Matraga" (2011), exibido no Festival do Rio de 2011 e ainda inédito em circuito comercial, e a animação "Nautilus" (2014), que teve a sua estreia adiada no ano passado, sem previsão de nova data.

Além de Wilker ser o coprotagonista junto ao português Joaquim de Almeida tentando diminuir o seu sotaque ao máximo, é a sua entrada que dá fôlego a esta adaptação de Os Velhos Marinheiros, de Jorge Amado.

O romance foi publicado originalmente em 1961, com o nome "A Completa Verdade Sobre As Discutidas Aventuras Do Comandante Vasco Moscoso De Aragão, Capitão De Longo Curso", dentro do volume "Os Velhos Marinheiros" (junto com a novela "A Morte e a Morte de Quincas Berro D´Água"). E, como o título completo entrega, a trama gira em torno da dúvida sobre a veracidade do personagem principal.

O primeiro ato mostra a chegada de Vasco Moscoso de Aragão (Joaquim de Almeida) à vila de Periperi, não apresentada aqui como a estância do litoral baiano, em plena década de 1920, como no livro, e sim um lugarejo de uma região não especificada, em um passado indefinido, mas que guarda semelhanças com o presente.

Foi uma opção do diretor para diminuir a "baianidade" de Amado e tornar sua obra mais universal e atemporal. No entanto, mantém-se o encanto dos habitantes do local pelas histórias do recém-chegado, que se identifica como um capitão de longo curso.

As aventuras dele fascinam a todos, gerando ciúme, inveja e desconfiança no cidadão que antes era o mais célebre de Periperi, o doutor Chico Pacheco (José Wilker), quando este retorna ao lugar.

Logo, ele o investiga e conta ao povo o que diz ter descoberto sobre o tal comandante, o que, consequentemente, detona de vez o duelo oral entre esses dois famosos tipos locais. Por isso, a entrada de Wilker, esbanjando ironia em seu personagem, põe fogo em uma trama que parecia até então muito morna.

Por outro lado, o foco nos dois gera certo ofuscamento do resto do elenco, especialmente o feminino, que aparece mais durante as narrativas da vida pregressa de Vasco.

Tainá Müller é Dorothy, a grande paixão de Aragãozinho, em três versões diferentes, dependendo da narração, tal como ocorre com Claudia Raia e a sua Carol, fazendo delas participações especiais. A exceção é Patrícia Pillar como Clotilde, o novo interesse romântico dele, que se destaca mais no segmento final, quando as habilidades do comandante são colocadas à prova.

A produção tem como mérito inovar em gênero e tecnologia, já que aposta na fantasia, mais escassa no realismo que domina o cinema nacional, e investe nos efeitos especiais são mais de 160 cenas com utilização de CG.

O uso desse recurso nem sempre é bem trabalhado, como em uma elipse temporal, com a mudança rápida entre dia e noite, na qual a iluminação sobre Dorothy permanece como a de uma luz do luar a todo o momento. Entretanto, especialmente durante as narrações, a troca e fusão de cenários para demonstrar a vivência dos ouvintes das histórias são interessantes e bem executadas.

Contudo, para aquele espectador que gostou do trabalho anterior de Marcos Jorge no longa "Estômago" (2007), o resultado fica aquém do esperado. Certamente, são projetos muito diferentes.

Neste, a produtora e a distribuidora já dispunham de um roteiro do norte-americano Frank Pierson (1925-2012), que tem no currículo os roteiros de "Um Dia de Cão" (1975) e "Acima de Qualquer Suspeita" (1990).

Não se tratando exatamente de um trabalho autoral Jorge deve lançar um ainda este ano, chamado "Mundo Cão", que conta com Lázaro Ramos e Adriana Esteves no elenco, a direção dele acaba se tornando burocrática em alguns momentos.

Mesmo assim, o filme consegue contextualizar a discussão sobre a questão do mito e da verdade, além da ficcionalização da própria vida, tão frequente em tempos de redes sociais virtuais.

Assista ao trailer de "O Duelo"

*As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
EFE
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
AFP
Cinema
do UOL
do UOL
Cinema
BBC
do UOL
EFE
Cinema
do UOL
do UOL
AFP
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
Topo