Filmes e séries

Shailene Woodley é adolescente perturbada em "Pássaro Branco na Nevasca"

Alysson Oliveira

Do Cineweb, em São Paulo

22/04/2015 16h15

Gregg Araki um dos poucos cineastas que ainda se mantêm fieis ao seu espírito de cinema indie, sem se render a modismos passageiros é capaz de retratar a alienação juvenil como ninguém. Seus "Geração Maldita" e "Mistérios da Carne" são os melhores exemplares do gênero, mas seu mais recente trabalho, "Pássaro Branco na Nevasca", também pode ser acrescentado ao conjunto.

O filme, que estreia nesta quinta (23), é protagonizado por Shailene Woodley, que, finalmente mostra suas habilidades dramáticas, longe das lágrimas obrigatórias de "A Culpa É das Estrelas" e da correria distópica e soporífera da série "Divergente".

Shailene é Kat Connors, adolescente que tem um relacionamento tenso com sua mãe dominadora e cada vez mais desequilibrada emocionalmente, Eve (Eva Green), que nunca se contentou com o papel de mãe suburbana. Ela também desconta na filha seu casamento infeliz com Brock (Christopher Meloni).

As duas podiam ser grandes amigas, mas seus encontros são pautados por disputas e rancor. Quando a mãe desaparece sem deixar vestígios, a menina só pode contar com o pai para tentar superar a perda e todas as suas inseguranças.

Embora possam ser apontados alguns suspeitos, e não se possa descartar a chance de a mulher ter sumido por conta própria, há um quê de paranormalidade, algo comum nos filmes do diretor, para explicar o sumiço de Eve. Kat começa a ter sonhos com a mãe, num ambiente todo branco e coberto de neve.

Cada vez mais insegura, a garota envolve-se com um namoradinho brucutu, Phil (Shiloh Fernandez), com quem acaba se decepcionando. Kat precisa mesmo é livrar-se de seu passado, superar a adolescência e entrar na vida adulta de cabeça erguida. Para isso, sente que precisa "matar" internamente a figura da mãe, seduzindo um sujeito que represente a figura paterna, e, no caso, é o investigador Scieziesciez (Thomas Jane).

Isso, no entanto, não é o suficiente. Se fisicamente ela já é uma mulher, emocional e psicologicamente há uma série de fraturas que precisam ser superadas para que ela entre de verdade na próxima fase de sua vida. Araki trabalha isso ao longo do filme, adaptado de um romance de Laura Kasischke. Todas as respostas estão, como se verá no final, debaixo do nariz de Kat, mas ela precisa primeiro aceitá-las.

Nos filmes do diretor, o elemento fantástico, na verdade, pode ser apenas um véu que cobre uma realidade que as personagens não querem enxergar embora estejam perfeitamente cientes do que realmente está acontecendo. Seja o garoto "abduzido" em "Mistérios da Carne", ou o desaparecimento da mãe aqui.

O diretor constrói uma atmosfera que, de certo modo, remete aos "dramas femininos" da década de 1950, com um quê de Douglas Sirk, mas, claro, é preciso a virada contemporânea para trazer o filme para o presente e essa apoia-se nos dramas das personagens ou no elemento de suspense. Este, aliás, por mais que seja trabalhado, em sua resolução, na reta final, um tanto apressada e óbvia.

Assista ao trailer legendado de "Pássaro Branco na Nevasca"

*As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo