Filmes e séries

Sean Penn vira herói de filme de pancadaria em "O Franco-Atirador"

Alysson Oliveira Do Cineweb, em São Paulo

O ator Sean Penn faz tipos atormentados como ninguém. Em seu novo trabalho, "O Franco-Atirador" (não confundir com o filme homônimo "oscarizado" de 1978), que estreia nesta quinta (7), ele é o personagem-título, um sujeito envolvido numa trama que provoca a morte do ministro das Minas do Congo. Anos mais tarde, esse passado vem bater à sua porta e dada a quantidade de pancadaria no longa, não é apenas na porta em que se bate.

Com todo seu ativismo fora das telas, Penn talvez seja a escolha acertada mas também intrigante para o protagonista, Terrier. Sua missão será desmascarar uma perigosa corporação que explora países pobres. Longe da originalidade, mas também sem muito espaço para política, o filme é uma sequência de tiros, pancadas e bombas sem fim além de um pretexto para o ator mostrar seus músculos.

Depois de cumprir sua missão, Terrier é obrigado a deixar o Congo imediatamente, sem sequer avisar sua namorada, a médica humanitária Annie (Jasmine Trinca). Anos mais tarde, começa a ser perseguido, enquanto trabalha numa ONG, num campo de refugiados na África numa tentativa de expiar o seu passado.

Não custa muito para ele se livrar de seus algozes e embarcar numa jornada pela Europa para limpar o seu nome.

Irá encontrar, é claro, seus antigos companheiros. Entre eles, Felix (Javier Bardem), agora casado com Annie que diz dever muito a ele por tê-la salvado e Cox (Mark Rylance). Ambos estão bastante ricos e renegam os crimes passados. Mas podem ter a ver com a perseguição ao protagonista.

Muito se tem comparado o papel de Penn aos últimos de Liam Neeson, que a essa altura da vida virou herói de filmes de ação. As semelhanças não são apenas porque Pierre Morel, o diretor aqui, também assinou "Busca Implacável", filme que causou essa reviravolta na carreira de Neeson. Talvez Penn tivesse em mente um thriller político ele é responsável pela produção e divide a assinatura do roteiro, mas o resultado está longe disso.

"O Franco-Atirador" é só mais um filme de ação que segue os protocolos das produções globalizadas, pulando de um país europeu para outro, com elenco e técnicos de vários deles.

Morel não tem pudores em mostrar cabeças explodindo e sangue voando para todo lado, além de tiros e facadas aliás, o faz com competência e certo prazer sádico. O problema, no entanto, é quando esse tipo de coisa não está acontecendo em cena. A narrativa então perde ritmo e revela que há apenas um fiapo de trama, sem muita consistência, amarrado uma sequência de violência atrás da outra.

Em todo caso, é bom Liam Neeson ficar de olho, pois surgiu um concorrente capaz de tomar seus futuros papéis.

Assista ao trailer de "Franco-Atirador"

*As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Reuters
do UOL
Da Redação
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
Roberto Sadovski
Blog do Matias
do UOL
AFP
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
EFE
Colunas - Flavio Ricco
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
Cinema
Blog do Nilson Xavier
do UOL
Reuters
EFE
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Da Redação
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Topo