Filmes e séries

"Crimes Ocultos" é trama de política e assassinatos na União Soviética

Alysson Oliveira

Do Cineweb, em São Paulo

20/05/2015 16h07

O suspense "Criança 44", do inglês Tom Rob Smith, se torna uma adaptação acinzentada e burocrática, que recebe o nome de "Crimes Ocultos", e explora um jogo de sombras, verdades e mentiras na extinta União Soviética. O longa estreia nesta quinta (21).

O protagonista é Leo Demidov (Tom Hardy, recentemente visto em "Mad Max: A Estrada da Fúria"), um herói nacional ao hastear a bandeira soviética na famosa foto no Reichstag, em 1945, na conquista da Alemanha nazista.

Quando criança, ele foge do orfanato e é adotado por um oficial, e, anos mais tarde, é um temido tenente da polícia secreta. Para acabar com famílias e destruir vidas de pessoas acusadas de traição, basta um aceno seu. Mas ele não é tão mau assim, tanto que fica abalado quando sua equipe dá cabo de uma pessoa inocente mesmo que ele não tenha outra opção a tomar quando as ordens vem de cima.

Demidov tinha praticamente o mundo aos seus pés e uma carreira promissora, quando sua mulher, Raisa (Noomi Rapace), uma professora de escola primária, é acusada de traição. Para que ela não seja executada ou, ao menos, presa, afinal, está grávida, o protagonista toma o seu partido, e os dois são mandados para uma pequena cidade no interior.

Nesse momento, o diretor Daniel Espinosa ("Protegendo o Inimigo") faz um contraste entre a urbanizada e cinzenta Moscou e a arcaica cidadezinha para onde o casal é mandado. Lá, Demidov irá trabalhar na milícia do General Nesterov (Gary Oldman), e Raisa, numa escola local.

Até então, uma trama que vinha em segundo plano em "Crimes Ocultos" começa a ganhar mais destaque. Trata-se do assassinato de meninos que ocorre nos arredores de Moscou e da região onde Leo está. Uma das vítimas, aliás, foi o seu afilhado, filho de um colega de trabalho.

É visível que o garoto foi assassinado, mas as autoridades insistem que ele foi atropelado acidentalmente pelo trem. Como explica um letreiro no início do filme, "não há crimes no paraíso".

O dilema de Demidov é investigar um crime que, em tese, não pode ter existido. Mas, aparentemente, o diretor e seu roteirista, Richard Price (da série "The Wire"), não se contentam com essas duas tramas traição de Raisa e assassinato de meninos cria algumas narrativas paralelas que apenas distraem e roubam o foco daquilo que realmente importa.

"Criança 44" é o primeiro romance de uma trilogia mas dado o desempenho fraco nas bilheterias norte-americanas, é pouco provável que os outros dois livros sejam adaptados.

Assista ao trailer legendado de "Crimes Ocultos"

*As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Cinema
do UOL
do UOL
AFP
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Da Redação
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Chico Barney
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
Da Redação
EFE
Topo