Filmes e séries

Russell Crowe atua e dirige drama sobre batalha da Primeira Guerra Mundial

Nayara Reynaud

Do Cineweb, em São Paulo

27/05/2015 16h42

Fora o selo de estreia de Russell Crowe na direção —apesar do ator já ter estado à frente de dois documentários—, a história de "Promessas de Guerra", que estreia nesta quinta (28), envolvendo a sangrenta campanha na península de Galípoli, na Turquia, não parece, à primeira vista, ser muito atrativa para o público brasileiro.

Mas, talvez, por motivos tortos, o espectador possa se surpreender com esse drama de guerra sobre um capítulo da Primeira Guerra Mundial que completou 100 anos em abril, sem ser muito explorado nos livros de história daqui e no cinema comercial, onde teve maior destaque em "Gallipoli" (1981), de Peter Weir.

Entretanto, o amante dos filmes históricos e/ou de guerra deve ficar atento já de início com o anúncio do longa ser baseado em fatos reais. Na realidade, o roteirista Andrew Anastasios encontrou na carta do coronel Hughes (Jai Courtney, no filme), australiano responsável pela unidade funerária de guerra do império britânico em Galípoli, a citação a um pai que foi lá à procura de seu filho. A simples frase lhe serviu de inspiração para criar, junto de seu xará Andrew Knight, a trajetória de Joshua Connor, protagonista interpretado pelo próprio Crowe —que chega a escrever a canção tema do projeto.

O roteiro deles apresenta a busca desse pai, que prometeu à esposa, que entrara em desespero, trazer os três filhos para casa. O fazendeiro australiano vai até a Turquia, na época ainda parte do Império Otomano em crise, quatro anos depois da batalha na qual os jovens, assim como tantos outros compatriotas e neozelandeses, desapareceram, provavelmente mortos no embate.

Por isso, não se trata de um filme onde a ação de guerra movimenta a história, pois, apesar de aparecer pontualmente, ela serve aqui como pano de fundo para os dramas dos personagens.

Russell Crowe está nos sets de filmagem desde quando era criança, já que seus pais tinham um serviço de catering para produções audiovisuais, e está completando 25 anos de carreira como ator de cinema, com direito a um Oscar por "Gladiador" (2000). Por isso, além de se cercar de bons profissionais, como o diretor de fotografia Andrew Lesnie (das franquias "O Senhor dos Anéis" e "O Hobbit"), ele tenta aproveitar a experiência com cineastas de renome, como Ridley Scott e Ron Howard, ao criar uma história envolvente para o público, apesar do sentimentalismo.

Exemplos menores disso estão na relação dos Connor com As Mil e Uma Noites e na metáfora do título original, "The Water Diviner", que faz referência ao dom de Joshua em encontrar fontes subterrâneas de água, com a forma como ele busca os corpos dos filhos. No entanto, é mais perceptível no romance que, de tão calculado, o público já preveja o final e toda jornada de perdão do protagonista, quando ele lança o primeiro olhar para a bela viúva Ayshe (Olga Kurylenko), dona do pequeno hotel onde se hospeda em Constantinopla.

Por outro lado, a relação com o "inimigo", criada entre Connor e o major Hasan (Yilmaz Erdogan, na melhor performance do elenco, em geral, correto), comandante das tropas otomanas durante o conflito e dos então nacionalistas, é construída com maior zelo e sinceridade, se tornando mais interessante no decorrer da trama.

A Anzac, as Forças Armadas da Austrália e da Nova Zelândia, foi chamada pela Tríplice Entente —Reino Unido, França e Rússia— para lutar em Galípoli, porque suas tropas estavam "ocupadas" na Europa, mas erros de cálculo e a forte defesa inimiga a levou à derrota. Então, para um filme australiano mostrar que o outro lado também sofreu com a sangrenta batalha —entre várias estimativas, há uma de que 60 mil aliados e 90 mil turcos morreram em combate—, humanizando-o e fazendo um discurso antiguerra, é um mérito, mesmo com a cooperação turca na produção.

O problema desta participação é outro. Talvez, ela tenha influenciado no modo como os gregos, rivais históricos dos turcos, são retratados como vilões cruéis, com vestimentas pretas e rostos cobertos, inclusive. E algo mais surpreendente é o longa nem ao menos citar outro fato correlato, iniciado na véspera de Galípoli: o genocídio armênio, no qual o Império Otomano levou 1,5 milhão da população minoritária à morte.

Aliás, o lançamento do filme nos Estados Unidos, justamente no dia em que se recordava o centenário deste triste capítulo da História, que a Turquia ainda não admite a existência —alega que foi resultado uma guerra civil e que as mortes não passam de 500 mil—, foi criticado por cineastas armênios e parte da imprensa norte-americana. De qualquer modo, colocar todas essas questões à tona, citando-as ou não, e fazer o público conhecer, pesquisar e refletir mais sobre isso acabam se tornando o principal feito do aprazível "Promessas de Guerra".

Assista ao trailer legendado de "Promessas de Guerra"

*As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
Cinema
Topo