Filmes e séries

Bradley Cooper e Emma Stone estrelam comédia dramática "Sob o Mesmo Céu"

Nayara Reynaud Do Cineweb

"Sob o Mesmo Céu" (2015) tem tudo para chamar a atenção: é uma nova comédia romântica embora em tons de dramédia de Cameron Crowe, diretor de filmes como "Quase Famosos" (2000) e "Jerry Maguire: A Grande Virada" (1996); tem um elenco atrativo (Bradley Cooper, Emma Stone, Rachel McAdams, Bill Murray e Alec Baldwin); e ainda o Havaí como cenário. Mas nos Estados Unidos o longa tem gerado burburinho há algum tempo, e por motivos nada legais.

Primeiro foram os e-mails hackeados da então vice-presidente da Sony Pictures Entertainment Amy Pascal, que já revelavam seu descontentamento com a produção. A agora ex-executiva do estúdio dizia que o filme não funcionava e, embora o fracasso de bilheteria possa aparentemente ser uma comprovação, o que não pode se contestar é que as histórias do portão de pedestres e do satélite, assim como ela apontava, realmente não funcionam.

Mas seu péssimo desempenho comercial no mercado norte-americano tem origem nas duras críticas de ativistas locais ao "branqueamento" do elenco e até ao uso da palavra sagrada "Aloha" no nome original, que repercutiram na mídia e nas redes sociais, antes mesmo de sua estreia. Em comparação com as últimas produções hollywoodianas que usaram o Havaí como locação "Os Descendentes" (2011) e "Como se Fosse a Primeira Vez" (2004), por exemplo, a de Crowe talvez seja a que mais pague tributo à cultura genuinamente havaiana, ainda que às vezes soe como adereço após o primeiro ato ou seja colocada de forma estranha.

Outra crítica incisiva foi contra a escalação da loira Emma Stone como a capitã Allison Ng. Em uma espécie de mea-culpa, Cameron disse que a intenção era mostrar uma personagem, baseada em um caso real, frustrada por sempre ter de provar seus antepassados, apesar das aparências contrárias. Sendo assim, na realidade, o erro não foi na escolha da atriz e sim no fato de o diretor não conseguir que a piada fosse entendida, mesmo com sua repetição.

Roteiro

Mas é no roteiro que reside o real problema de "Sob o Mesmo Céu". Assim como a explosão sonora no espaço durante o clímax, o script é cheio de segmentos interessantes, mas sempre apresentados de maneira incompleta. São várias subtramas possivelmente intrigantes a ocupação militar e comercial do céu e o nacionalismo havaiano, por exemplo, mas superficiais, que se entrelaçam de um modo confuso.

Brian Gilcrest (Bradley Cooper) é um ex-oficial da Nasa e agente de um multimilionário da indústria aeroespacial, Carson Welch (Bill Murray, pouco aproveitado, assim como Alec Baldwin, que tem um único momento seu), que volta ao Havaí para mediar o lançamento de um satélite da companhia, negociando com os nativos e conduzindo a operação.

No retorno à terra natal, ele reencontra a ex-namorada Tracy (Rachel McAdams) já casada com o militar workaholic e taciturno, John 'Woody' Woodside (John Krasinski, ótimo na mudez de seu personagem) e com dois filhos, enquanto tenta lidar e não se envolver com a proativa capitã Allison Ng, enviada para ser seu "cão de guarda" durante a missão.

Nunca ficam claros ao público quais foram os pecados cometidos por Brian quando desistiu da carreira militar para se tornar um mercenário, como se o diretor/roteirista quisesse evitar alguma rejeição. Mas, de certo modo, esse desconhecimento do protagonista gera a falta de empatia, apesar de ficar clara a sua jornada de redenção, típica nos trabalhos do cineasta. Assim, mais por Cooper, a plateia acaba gostando de Gilcrest, mas sem se importar muito com o destino dele.

O espectador também estranha como Allison pode se apaixonar tão rápido pelo "lobo solitário", mesmo sendo ele tão bonito, para ser a animada voz que guiará o personagem principal nesta caminhada de salvação. No entanto, Stone, a despeito de toda a discussão, põe tanta energia em um papel assumidamente acima do tom, que contagia o resto e quem está sentado na poltrona do cinema.

Por outro lado, também é de se duvidar como, após um rompimento traumático há 13 anos, Brian e Tracey conseguem rapidamente conversar como velhos amigos, sem nenhum tipo de rancor por parte dela, que facilmente conta seus problemas matrimoniais. Mesmo assim, com o naturalismo de McAdams, os encontros dos dois chegam a ser envolventes.

É no silêncio que o longa tem seus melhores momentos, seja nas "conversas" entre Woody e Gilcrest, à la "Noivo Neurótico, Noiva Nervosa" (1977), ou na bela cena final de Danielle Rose Russell, que vive a filha de Tracey. E assim, mesmo com toda a confusão do roteiro, o espírito do filme, com todo o seu "Aloha" e defesa da sacralidade do céu, da terra e do amor, acaba cativando, tal qual em "Tudo Acontece em Elizabethtown" (2004) e "Compramos um Zoológico" (2011), os últimos e fracos trabalhos de Crowe, que agora necessita se reinventar.

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
Roberto Sadovski
Blog do Matias
do UOL
AFP
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
EFE
Colunas - Flavio Ricco
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
Cinema
Blog do Nilson Xavier
do UOL
Reuters
EFE
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Da Redação
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
Topo