Filmes e séries

"Rainha & País" retrata amadurecimento do protagonista de "Esperança e Glória"

Neusa Barbosa

Do Cineweb, em São Paulo

24/06/2015 15h47

Voltando ao baú de suas memórias pessoais, que rendeu o delicioso "Esperança e Glória" (1987), em que visitou sua infância durante a Segunda Guerra Mundial, o diretor e roteirista britânico John Boorman recria agora memórias de sua juventude em uma nova comédia dramática, "Rainha & País". O filme estreia nesta quinta (25).

Seu alter ego e protagonista, Bill Rohan, tem 18 anos (interpretado por Callum Turner, da série "Os Bórgias"). Nos anos 1950, ele é obrigado a deixar de lado os estudos e seus longos dias de natação ao ser convocado para o Exército, num tempo em que acontecia a guerra da Coreia.

Mas Bill, assim como seu melhor amigo, o inquieto Percy (Caleb Landry Jones), não são mandados ao front. Ficam num quartel, encarregados de conduzir aulas de datilografia para recrutas da mesma idade que, tanto quanto eles, querem mais é se divertir.

Um obstáculo constante é o sargento Bradley (David Thewlis), oficial apegado às entrelinhas dos regulamentos, sempre disposto a reportar a menor falha dos meninos junto ao superior, o major Cross (Richard E. Grant). Nem mesmo Cross tem paciência para tanto rigor mas, mesmo assim, Bradley não dá trégua.

Por conta dessa marcação cerrada e também do tédio da vida militar é que o travesso Percy acaba planejando o roubo de um relógio muito caro aos oficiais, colocando numa séria confusão tanto a si mesmo quanto Bill e ainda mais Redmond (Pat Shortt), outro soldado gordinho e muito malandro, que evita serviço pesado alegando um vago problema nas costas.

A ida para a guerra é uma ameaça iminente, nunca cumprida, o que contribui para o desânimo dos rapazes, ainda mais devido a uma outra ansiedade permanente, em torno do início de sua vida amorosa.

Nas folgas, Bill e Percy saem com enfermeiras, como Sophie (Aimee-Ffion Edwards), que flerta com um e outro. Mas Bill se enamora de uma estudante, que ele chama de Ophelia (Tamsin Egerton) e que é mais fonte de angústia do que de realização. A moça tem outro namorado, mas a concorrência parece estimular ainda mais o romântico Bill.

Como em "Esperança e Glória", Boorman alterna constantemente o clima, entre alegria e melancolia, drama e comédia, paixão e perda, alternando estes momentos no retrato de seus personagens e de seu entorno como o ambiente familiar de Bill, que é revelado numa saborosa sequência, em que Percy será apresentado à irmã casada do amigo, Dawn (Vanessa Kirby).

Detalhes do casamento dos pais de Bill (Sinéad Cusack e David Hayman) entram na trama, que flui em torno do amadurecimento atribulado do rapaz encarnado com sutileza pelo ator Callum Turner. Já Caleb Landry Jones injeta um tanto de "overacting" no seu elétrico Percy há momentos em que um tom abaixo na interpretação lhe serviria melhor.

Não é necessário ter visto "Esperança e Glória" para aproveitar esta história, que se desenvolve independentemente daquela primeira, mantendo com esta um parentesco inegável, em termos de delicada nostalgia, irreverência, desacato à ideia de autoridade e drama à espreita onde às vezes não se espera.

O veterano Boorman, de 82 anos, continua com boa mão como diretor.

Veja o trailer do filme

*As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
Topo