Filmes e séries

Fábio Porchat é o que salva a comédia "Meu Passado me Condena 2"

Alysson Oliveira

Do Cineweb, em São Paulo

01/07/2015 17h25

Diante da atual conjuntura das sequências de comédias cinematográfica atual como "Divã a 2" e "Qualquer Gato Vira-Lata 2" ,"Meu Passado Me Condena 2", que estreia nesta quinta (2), se sobressai um pouco. Não que seja bom longe disso mas, ao menos, cumpre com o que promete: provoca algumas risadas, apelando bem menos que os outros concorrentes em termos de machismo e clichês.

Atacando por todos os lados livro, cinema, televisão e teatro, "Meu Passado..." parte de uma ideia tão antiga quanto o casamento: homem e mulher tendo de viver sob o mesmo teto, manter acesa a chama do amor, apesar das diferentes formas de ver o mundo e a vida.

Fábio (Fábio Porchat) e Miá (Miá Mello) estão casados há três anos. Enquanto ela é responsável e parece carregar sozinha a casa, as contas e o relacionamento, ele trabalha como animador de festas com o pai. Quando ele esquece do aniversário de casamento, ela chega ao seu limite e resolve se separar.

Mas, no exato momento, ele recebe uma ligação dizendo que o avô (Antônio Pedro) em Portugal ficou viúvo, e Fábio vê a chance de reconquistar sua mulher usando o momento de luto. Juntos viajam para a Europa para acompanhar o funeral. Lá, o rapaz reencontra Ritinha (Mafalda Rodiles), sua namorada de infância, e Álvaro (Ricardo Pereira), seu rival na época, que agora é noivo da moça.

Com direção de Julia Rezende responsável pelo primeiro filme, e, mais recentemente, por "Ponte Aérea" e roteiro de Tati Bernardi, Leandro Munis e Patricia Corso, este não é bem um filme que prima pela inteligência nos diálogos ou sagacidade nas situações.

Pelo contrário, seu humor vem das situações estapafúrdias em que os personagens se metem, especialmente quando Fábio tenta reconquistar Miá. O fiapo de narrativa que gruda uma cena à outra faz parecer uma sitcom de televisão alongada excessivamente alongada, aliás, sem assunto para se sustentar em quase duas horas.

A sorte do filme é ter Porchat no elenco. O ator acerta quando é engraçado ele é capaz de o ser mesmo quando tudo ao seu redor não o é, mais ou menos o caso aqui. Miá é uma presença carismática, mas geralmente está a serviço do humor dele, já que sua personagem parece não ter vida própria.

"Meu Passado..." quase consegue passar impune à onda machista que toma as outras duas comédias da temporada quase! Não fosse o velho discurso de "mulher para casar" versus "mulher para namorar". Em pleno 2015, tentar fazer humor ou se valer de forma positiva de uma ideia dessas é, no mínimo, retrógrado.

Assista ao making of do filme

*As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo