Filmes e séries

"Meu Verão na Provença" repete clichês do conflito de gerações

Nayara Reynaud

Do Cineweb, em São Paulo

01/07/2015 17h20

Quando o mistral, vento frio e seco, típico do sul da França, sopra na região, já se sabe que ele traz mudanças, desde o simples despentear dos cabelos até as rápidas alterações de temperatura e clima.

Em "Meu Verão na Provença" (2014), que estreia nesta quinta (2), ele não tem nenhum destaque no enredo em si, que apresenta a história do trio de irmãos que passa as férias com o avô com quem não tinha contato, mas nem por isso está à toa no título original do novo longa de Rose Bosch.

O nome "Avis de Mistral", algo como "Aviso de Mistral", serve de metáfora para a transformação que a mudança de ares causa aos personagens principais. Uma variação que também se sente dentro da filmografia da própria cineasta.

A paixão pela história, transmitida por seu pai, marcou seu trabalho como roteirista, a exemplo de "1492 - A Conquista do Paraíso" (1992), épico de Ridley Scott sobre a chegada de Cristóvão Colombo à América, e como diretora, no seu segundo longa sua estreia na função foi na ficção científica "Animal" (2005), premiado no Fantasporto, em Porto Alegre, "Amor e Ódio" (2010), drama histórico sobre a situação dos judeus franceses, entregues pelo próprio governo aos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial.

Nesta obra, porém, Bosch busca inspiração na sua própria infância na Provença ela nasceu em Avignonpara fazer esta comédia dramática.

O filme já começa com os irmãos parisienses indo rumo ao sul junto com a avó (Anna Galiena), já que, após a separação dos pais, a mãe deles viaja para o Canadá, onde conseguiu uma ótima oportunidade de trabalho durante o verão.

Quando desembarcam, surpreendem o rabugento Paul (Jean Reno, dando a maior credibilidade possível a um personagem "rascunhado"), que, diferente da esposa Irène, nunca teve contato com os netos, pois está brigado com a filha há muitos anos, quando ela saíra de casa.

Ainda abalados com o divórcio e o afastamento do pai Rose sabiamente não se dá ao trabalho de explicar o porquê, o jovem Adrien (Hugo Dessioux, videoblogger e comediante), a adolescente Léa (Chloé Jouannet, vinda de uma família de atores) e o pequeno Théo (Lukas Pelissier, surdo de nascença assim como seu personagem) têm grandes dificuldades em se adaptar à vida no campo e conviver com o avô, deflagrando o conflito de gerações que marca a história.

Só pela sinopse dá para perceber que o enredo não difere muito de alguns filmes que o espectador se flagra assistindo na televisão, em que novas ou interrompidas relações familiares são construídas arduamente com aquela lição de moral no final, é claro.

O roteiro também não tenta afastar-se disso, já que está repleto de clichês. A maioria é utilizada de maneira equivocada ou embaraçosa, como os estereótipos usados no "momento hippie" da película, quando Paul e Irène reencontram seus amigos estradeiros do passado, que chegam de moto em sua propriedade; ou na construção de Magali (Aure Atika) como personagem que acende o desejo dos homens da história.

Em contrapartida, apesar de sentimentalista e previsível, a relação entre Paul e Théo é a mais sincera do longa, culminando em uma bela cena, onde a fotografia de Stéphane Le Parc remetendo ao "caminhar" da câmera característico das obras do Terrence Malick mostra, sob o ponto de vista do neto, o avô encantado com suas oliveiras.

Aliás, o garoto está na abertura do filme, em que a sua viagem de trem ao som de "The Sound Of Silence", da dupla Simon & Garfunkel, além de ser uma clara referência ao clássico "A Primeira Noite de um Homem" (1967) do Mike Nichols, apresenta o personagem de uma maneira muito poética.

É uma pena que a promessa inicial não seja cumprida e "Meu Verão na Provença" entregue algo abaixo das expectativas.

O cenário provençal, desde a modernidade da estação em Avignon e o ar pitoresco da vila de Saint-Rémy-de-Provence até os campos de oliveiras e a paisagem de Camarga algo próximo de um Pantanal francês, embalado por algumas músicas típicas e muitas anglófonas em uma clara tentativa de agradar ao público internacional, e a companhia de um carismático elenco garantem uma sessão agradável.

No entanto, os talentos envolvidos e a beleza da região careciam de um esforço cinematográfico mais elaborado.

Assista ao trailer do filme

*As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
EFE
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
EFE
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
Topo